[space failure][abort system]


…dou uns passos na rua e me apercebo que conectividade ocorre por toda a parte.  Diante das turmas – que outrora soavam como fenômeno primário e portanto exclusivamente adolescente – adquiro conhecimento que qualquer indivíduo de fato se aglomera em volta de suas suspeitas e conjecturas. Os grupos advindos desse efeito social movem-se ameboicamente esticando-se e contraindo à medida que os encontros se revelam no dia. Assim quando qualquer não-parte do conjunto se aprochega os sistemas ‘resistivos’ entram em cena, revelando muitas vezes que hoje comungamos espaços elétricos na malha da rede por que almejamos os páreas que revelarão nossos próprios anseios.

Estes páreas nem sempre de sangue regurgitam ocasionalmente aquilo que nos inspira e revela nuances particulares e somem por estarem muitas vezes numa outra extremidade conectiva regida por outros ventos e olhares. Um espelho exímio nem sempre visto deste modo, e muitas vezes esquecido ao passar a vista em qualquer outra coisa. Somos estranhos conhecidos por segundo, às vezes menos, atingindo-nos à medida da permissão do botão, que desliga.

Bem pudera existir esse botão na nossa pele.  Que com gesto tão simples, simplificasse a labuta diária e nos trouxesse paz. Pois o irmão ou amigo não se contenta com deslizes e apregoa-nos amargos. Assim não há pergunta sem resposta, ou intimidação sem o aparo da mão. É quando vemos que o Orkut idiotizou não nosso tempo, mas nossas ambições, adocicando o organismo do atrito das peles, do cuidado faminto de quem empurra, de quem abraça. Precisamos da dor pra retrair o braço ao perigo iminente e não conduzir o dedo ao botão que gela.

Perderemos contudo não nossa dinâmica de grupo, mas reconhecendo estes páreas seremos seduzidos pelo mundo ideal que nos afogará em mesmices de importância. Nos afogará em redundâncias agora mais amenas. Seremos inteligentes de nós mesmos e isso sim nos transformará em escravos da resposta de fibra-ótica que vai… e vai embora. Passa!;  ou seria pisca? Sumindo no tic-bin tac-nário.

Foi quando visualizei a rua entremanhada de linhas luminosas. Cada qual na sua porta, no seu provedor de acesso, seguindo seguro em sua criptografada expectativa se comunicando na medida dos bites. Zipa! Zipa! É mais seguro. E nos vestimos para o acaso emperdenido, amordaçado. Seria o efeito das telas de tubo a darem a sensação de irreal? Condizendo com o ‘ledi’ que alucina à sensação de que só abrimos uma janela de fato, …será que toca se eu apontar o dedo? E será se ele sente o dedo incidindo na pele. É bem provável que no futuro onde não precisemos de mais utilidades/inovações ao tocar a tela a tela sente por você tocando-nos, nos idiotizados. Curtindo as carícias reproduzidas justificaremos o hábito reafirmando aforismas quânticos implicados de espaço e tempo, e estado. Chega! Chega mais pro lado que minha tela está gangrenada, tenho de trocar de monitor.

Ridículo não é nem mesmo averiguar tamanha ezquisiotice, é advir do mundo diário que averigua: somos todos culpados, reclusos do medo de abraçar o outro ao lado e esmiuçar um sorriso envergonhado e desculpado. Vivemos emparedados pela “realidade aumentada” de nossos passos. Que caminha estranhamente pro mundo feito de plástico. “Não precisamos mesmo desta rinha triste que esfria”. Veremos ainda extinto o abraço, acreditaremos no smile apaixonado. E seremos felizes ou pelo menos teremos o status, opa… ‘estatos’ confirmando o retrato.

Mas temer não é meu forte. O curso destas anomalias reflexivas não passam de uma esquálida miragem. Já que não se vive o futuro, soframos loucamente antecipado para nos acordar deste possível estado… já que sempre dói mais quando se está no fato e não queremos esse contrato, não queremos tal herança, mesmo não sendo nós os que serão cobrados.

Tentemos assim não aceitar tamanha corrupção sistematizada, chamada à rede social idealizada, não aceitemos ser mecanizados somente, já que se tromba menos quando planejamos levemente. Não nos aceitemos somente, há um tanto de coisas boas nos estragos residuais destes atritos humanos e suados. A pele só pega bronze sob o sol… só no futuro seremos morenos pelos raios solares photoshopados que nos incidem homeopáticos… mostrando a mensagem: “Tenha um bom dia, seu tratamento começou, fique à vontade para navegar e interagir com seus ‘CONT -r- ATOS’, sempre sabendo que nossos sistemas geram amigos personalizados… o vizinho ideal. O quase-solar método de tratamento atualizado frequentemente promete os mais leves tons ao mais detalhado espectro de tez, tornando-o durante o tempo que desejar único e especial. Aproveite seu momento gold grátis e sinta o prazer de se ver mudando em instantes tão rápidos como esse advertising” E uma outra imagem nos avisa das implicações deste método revolucionário nos mostrando nas ad-senses um novo casaco magnético – agora você pode andar respondendo seu tuites sem medo de trombar em ninguém! “Deixe seu magnético casaco repelir transeuntes desavisados de seus olhares conectados”.  E por você possuir GOLD receberá por um mês a função atração recíproca, feita com a mais alta tecnologia de avaliação social – fakebook iogurte e tuíste – que lhe jogará nos braços da pessoa, já, amada! Adquira já@x.LOL;comassim?

Desliga! Desliga! Vai no mercado… no regaço, no recado e revoga o contrato. Precisamos de espaço, mas deste que significa ocupado… não digitalizado. E balança entre lá e cá… acreditemos que seremos sim inteligentes. Com aptidão suficiente pra perceber que acabou a energia, mas ainda enxergamos no escuro. No fundo no fundo sabemos que isso é pouco provável, não seremos tão otários… um simples arquivo no banco de dados. [space failure][abort system]


Djaysel Pessôa

S.O.Q.C.

__________________________

leia também:

Zzurto

Curtam o Zzurto no face!

Zzurto no G+

—-

todas as incursões verborrágicas e ‘neológismicas’ foram advindas de uma intensão proposital e conspícua.

Seja livre para não entender.

*Imagem cedida pela eficácia casual de busca, de algum algoritmo alienígena do Google.

#hermetismo

1 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo