top of page

O Politicamente Correto e as Qlipoth

Atualizado: 19 de mar. de 2022


animal-farm

“Quando a Educação não é Libertadora,

O Sonho do Oprimido é se tornar o Opressor”


Depois do post polêmico no Facebook no qual eu alertava sobre os perigos do Politicamente correto e de como ele é um câncer tão nocivo quanto o radicalismo religioso, fascista ou extrema direita, muitas pessoas pediram para que eu escrevesse um post no Blog explicitando melhor estas comparações. Para ser justo, farei as comparações das atitudes dos radicais politicamente corretos comparando-as com as atitudes da direita-religiosa, fascista e no totalitarismo, para ficar mais simples a compreensão. Este post será mais complexo do que a média, mas como a maioria de vocês já deve estar com o Livro de Kabbalah Hermética (e se você ainda não tem, o que está esperando?) e podem consultá-lo para a comparação dos túneis com os Caminhos.


Thantifaxath (O Túnel abaixo de TAV) Para entender a Árvore da Morte, precisamos entender sua contraparte na Árvore da Vida. Se TAV é o Caminho que abre os portões do Templo, permitindo ao Iniciado que descubra um mundo maior e melhor, seja através da imaginação, seja através da expansão da consciência, Thantifaxath atua como “Os portões fechados do Paraíso”, ou seja, toda atitude de censura, bloqueio ou restrição Saturniana (seu Regente) que impede as vítimas de ampliar a consciência.

No Politicamente Correto: todo militante radical começa a se estreitar em um gueto, utilizando vocabulários próprios, banindo o contato com qualquer pessoa que pense diferente (ou simplesmente não concorde com qualquer coisa que é dita pelo grupo), bloqueando o acesso e cortando qualquer tipo de debate sadio. O uso de força (“ocupações”), destruição de patrimônio público (pichações, depredações… tudo é “justificado” pela militância), impedimento da manifestação do outro lado no debate (vide Centros Acadêmicos e DCEs de faculdades “de humanas”) chegando à agressão verbal, moral e até física de qualquer um que se posicione contra o movimento. Proibição de literatura considerada blasfêmica (ex. Monteiro Lobato, Mark Twain) por motivos unilaterais.

No Fanatismo Religioso/partidário: o fiel é proibido de ler qualquer texto sobre outros pontos de vista, qualquer outro livro filosófico ou qualquer outra doutrina. Quem nunca escutou a frase “Harry Potter e RPG são do demônio”?

sharia01

Gamaliel (A Qlipha de YESOD) Se YESOD representa a Intuição, Imaginação e a Expansão de Consciência, Gamaliel representa o lado sombrio da Imaginação (ou falta de imaginação), a Ilusão e a Distração. Drogas, Vícios, Fuga da Realidade, Aprisionamento na Maya e o lado sombrio do Sexo. Novelas contam vários pontos nessas tabelas! Futebol, Álcool, Cigarros e Drogas também têm papel fundamental em Gamaliel, principalmente em nosso país onde traficante é “vítima da sociedade”, Big Brother é “herói nacional” e agentes dos direitos humanos trabalham para o PCC. Novela, Futebol, Redes Sociais e Drogas… quem precisa de iluminação?

No Politicamente Correto: A ilusão de fazer alguma coisa é uma constante… na Europa, homens usam minissaia para “protestarem” contra estupros, militantes mudam bandeirinhas em seus perfis de Facebook e pintam as unhas contra o Bullying. Teve até umas radicais que adoram protestar peladas ou com os peitos de fora contra sei-lá-o-que-qualquer-coisa. Enquanto isso, o mundo das drogas (sempre atrelado à violência e assassinatos e ao crime) é louvado nos campi universitários. Como diz o Capitão Nascimento, “É você que financia essa porra!”. Fazem textões de Facebook e precisam de “Espaços Seguros” para protegerem suas frágeis bolhas emocionais e ao mesmo tempo fecham completamente os olhos para atrocidades religiosas cometidas contra as minorias (gays, mulheres e ateus) em países fundamentalistas.

No Fanatismo Religioso/partidário: A primeira coisa que qualquer Igreja que se preze faz é conseguir uma rádio, jornal e televisão, para controlar os meios de comunicação (vide Samael e Thantifaxath) e para providenciar distração para seu rebanho. A Mídia também serve para criar heróis e modelos a serem seguidos (figuras públicas, artistas e big brothers a serem imitados em Raflifu) e principalmente servir como vício e DISTRAÇÂO.


opio-do-povo

Samael (Qlipha de HOD) Se HOD lida com a Informação, sua contraparte escura é a MENTIRA, a Falsidade e a Manipulação. O lado sombrio de Mercúrio. Está bem representada na Mídia e nos “jornalistas imparciais” que vemos todos os dias defendendo partidos políticos e igrejas nas Redes Sociais.

No Politicamente Correto: a militância usa de falácias, mentiras e falsidades para pregar idéias absurdas como “Teoria Queer”, “Lugar de Fala”, “Apropriação Cultural”, “Vivência”, “Dívida Histórica” e outras papagaiadas como se tivessem qualquer tipo de embasamento científico (nenhuma delas tem!) ou manipular dados, números e estatísticas ao bel prazer para justificar ações políticas e ativistas. Acusações falsas, Linchamentos virtuais e Coerção são comuns ao atacar adversários ideológicos e personas non gratas.

No Fanatismo Religioso/partidário: Os grupos no poder usam justificativas mentirosas para impulsionar o racismo, machismo e segregações. Por exemplo, a escravidão só foi possível e aceita porque a Igreja tinha como “base científica” que “os negros não tinham alma”; a justificativa para os horrores dos experimentos nazistas era que os judeus eram “uma raça inferior”; a agressão a umbandistas é incentivada por pastores pois eles “adoram o diabo” (também vale para bruxas e a Inquisição); a religião Islâmica permite que se minta e trapaceie se isto ampliar as causas da Sharia (procurem no google por “Taqiyya”, a “Mentira Sagrada”).


Shalicu (O Túnel abaixo de SHIN) Shin é o Caminho da Iniciação e do Julgamento. É a barreira de testes que separa o Mundo profano do Mundo Sagrado e que seleciona aqueles que estão aptos a prosseguir na Jornada. Sua Qlipha é Shalicu, o Preconceito. Todos os lados radicais são exímios em apresentar preconceitos contra o outro lado: “todo homem é estuprador”

No Politicamente Correto: Shalicu age como uma barreira que privilegia partidários e militantes. As fraudes na Lei Rouanet são um excelente exemplo de como pessoas talentosas e com projetos excelentes eram bloqueadas em detrimento de aberrações culturais alinhadas com o partido e com a linha de pensamento politicamente correta radical. Criação de “cotas” e “bolsas” que logo eram fraudadas em favorecimento a militantes, ao mesmo tempo em que criavam uma situação de guerra ideológica de “Nós contra eles”, gerando MAIS segregação e MAIS preconceito. Sem falar nos “Tribunais Raciais” para julgar aqueles que se declaravam “negros” para ter direito à “cotas”. Goebbels ficaria orgulhoso!

No Fanatismo Religioso/partidário: barreiras raciais e segregações são as desgraças mais comuns neste Túnel. Bloqueio de acesso de pessoas de outras religiões na política, chegando a absurdos maiores como segregação racial, Apartheid e extermínio de homossexuais na Rússia e nos territórios Islâmicos.


tribunal-racial01

A’arab Zaraq, ou “Corvos da Dispersão” Se cada Qlipha na Árvore Sombria é uma antítese da Sephirah correspondente na Árvore da Vida, devemos primeiro dar uma olhada em A’arab Zaraq com relação à Sephira Netzach, “Vitória” (Emoção). As forças de Netzach são conectadas com a influência planetária de Vênus e representam emoções e paixões, Desejo como uma força motriz que supera os obstáculos no caminho da Ascensão e inspira o adepto ao avanço, para buscar iluminação espiritual. Esta é a energia bruta que precisa ser equilibrada, e este equilíbrio é encontrado na Sephirah Hod, que representa intelecto, pensamento racional e auto controle. No Lado Sombrio da Árvore, estas forças existem em sua forma pura, primitiva, desequilibrada e desenfreada. No plano físico elas se manifestam como ganância, ciúmes, atitudes possessivas, paixões desenfreadas e luxúria descontrolada – a negatividade de Netzach, o lado sombrio de Vênus. Têm este nome porque o desequilíbrio e hipocrisia geram uma ruptura entre “pecado” e “culpa” que destrói qualquer equilíbrio emocional.

O Politicamente Correto: Enquanto uma parte dos movimentos politicamente corretos deturpam o feminismo na cartilha do “meu corpo, minhas regras” incentivando a promiscuidade, luxúria descontrolada, tentam criar um estado de perpétuo medo com “homem é tudo estuprador”, “cultura de estupro” (e curiosamente ignorando completamente a REAL “cultura de estupro” religiosa, que possui até mesmo regras para como “tratar suas escravas sexuais” em seus manuais). Coletivos extremamente revoltados com a Mulher Maravilha ser uma “mulher branca hétero cis magra” e com o tamanho do shortinhos da Arlequina enquanto Feministas alemãs deixam de reportar estupros para proteger refugiados muçulmanos ou até mesmo o caso onde a mulher que foi estuprada pediu desculpas ao seu agressor por ser uma “vítima da sociedade patriarcal”.

No Fanatismo Religioso/partidário: O sexo é considerado tabu, com proibição até do uso de preservativos pelas autoridades eclesiásticas. Sexo antes do casamento? Nem pensar! Sexo anal? Direto para o inferno! As mulheres são obrigadas a se cobrir integralmente “para não despertar a libido pecaminosa do diabo nos homens”, porém ao mesmo tempo, algumas religiões incentivam o “estupro corretivo” e o “estupro das infiéis (infiéis no sentido de que não segue a mesma religião… se for no sentido de traição, ai a pena é apedrejamento… mas APENAS na mulher!)


baile-funk

Rafliflu (O túnel abaixo de RESH) Chamado de “Caminho dos falsos ídolos”, Rafliflu é a deturpação de RESH, o Caminho da Aurora onde ocorre o Autoconhecimento e a Individualização dos Iniciados.


O Politicamente Correto: Os seguidores da seita precisam primeiro perguntar o que “o movimento” pensa para depois responderem alguma pergunta. Posicionar-se contra qualquer uma das “lideranças” é tornar-se vítima (ops, “opressora”, “passador de pano para machista/racista/hitler”, “vítima do patriarcado”, etc) e nesta condição agora, ser atacado com toda a fúria irracional da militância (ver Perfaxita e Thantifaxath). Quando um negro se posiciona “do lado errado da política”, então está tudo bem xingá-lo e atacá-lo sem piedade (outro exemplo: se a mulher pode fazer o que quiser como quiser, porque a fúria virulenta de ataques quando Marcela Temer, esposa do Vice da Dilma, declarou que era recatada e do lar?). Chamar uma mulher de “grelo duro” é um elogio ou xingamento? Pela cartilha do Politicamente Correto, depende de quem falar… No Túnel dos Falsos Ídolos, a Militância do Politicamente Correto cria leis que devem ser obedecidas e copiadas por todos os seguidores, como Clones.

No Fanatismo Religioso/partidário: Geralmente esta Qlipha se manifesta na cópia de ídolos como Big Brothers, criaturas fabricadas pela mídia, artistas de TV e cantores pré-moldados. ídolos da Moda e ditadores de modinhas e tendências que fazem com que as pessoas, ao invés de tentarem a individualização do pensamento, se tornam cardumes em uma militância. Transformam facínoras, homofóbicos e assassinos em ídolos (Che Guevara, por exemplo) ou defendem bandidos/corruptos como se fossem heróis da Nação. Pastores e Líderes Religiosos, então, são intocáveis. No mundo profano mais baixo, alguém ai se lembra da moda do corte de cabelo ridículo que surgiu do nada, imitando jogador de futebol? Então…


Tzuflifu (O Túnel abaixo de TZADDI) O Túnel onde a Arte e a Fé são substituídos pelos dogmas e pelo lixo cultural. Tudo aquilo que não se encaixa no padrão ditado deve ser queimado na fogueira enquanto qualquer lixo mental que se encaixe nos ditames da Mídia é martelado goela abaixo da população. Tzuflifu conecta as Qlipoth de Gamaliel (a Ilusão, Drogas, Vícios e Fuga da Realidade) com A´Arab Zarak (a Luxúria e depravação).

O Politicamente Correto: Doenças como obesidade mórbida são transformadas em “empoderamento”, louvando a desarmonia, feiura e desequilíbrio; defecar, introduzir objetos religiosos nas cavidades em público vira “movimento artístico de protesto” e exploração do ânus dos amiguinhos vira “peça de teatro”, entre diversas outras aberrações.

No Fanatismo Religioso/partidário: Qualquer coisa com “Gospel” no final já prova minha teoria, nem precisa ser Axé Gospel… No mundo mais profano, Tzuflifu está bem representado pelo Funk (“patrimônio cultural brasileiro”, não esqueçamos!), pelos bondes, pelas MCs-qualquer-coisa-empoderada e suas letras edificantes; pelas letras que louvam o crime, tráfico, estupros grupais, “novinhas” e drogas (curiosamente, traficantes e criminosos são colocados como “vítimas da sociedade”); mas nem preciso ir tão longe… basta assistir qualquer novela em TV aberta ou avaliar a qualidade literária de nossos youtubers e seus best-sellers.


macaquinhos01

Parfaxitas (O Túnel abaixo de PEH) O Túnel com o lado sombrio da Fornalha do Alquimista não poderia ter um nome melhor: “Ódio ao Diferente”. Enquanto PEH faz a Síntese entre o Mental e o Emocional; o “Calcinatio” da Alquimia e a desconstrução da Torre; seu lado sombrio prega o Ódio ao Diferente. Não preciso me alongar muito aqui, todos nós presenciamos as eleições de 2014 e perdemos muitos amigos nas Redes Sociais. Aliás, vimos todas as Qlipoth inferiores em Ação nos posts falsos disseminados pela mídia regiamente paga de todos os lados, coerção em empregados, alunos e bolsistas, shows de música podre superfaturados e artistas de TV regiamente pagos para defenderem ideologias.

O Politicamente Correto: prega o ódio ao diferente e a segregação ainda mais radical. Ao invés de explicar, unir forças e colaborar, os militantes do “politicamente correto” utilizam-se da mesma truculência para agredir e atacar qualquer coisa que considerem “diferente”. E o ódio não respeita nem eles mesmos… temos Mulheres versus Trans, “Manas Brancas” levando esculacho de “Manas Pretas” porque usavam turbantes (e logo em seguida, as “Manas Pretas americanas” levaram esculacho das “Manas Pretas da África” pelo mesmo motivo).

No Fanatismo Religioso/partidário: O termo “Guerra Santa” já diz muito. No Âmbito das ditaduras, podemos ir até a Coréia do Norte, mas nem precisa ir mais longe do que Cuba para ver o que um regime totalitário faz com seus cidadãos. No âmbito religioso podemos citar a perseguição (com direito a pena de morte) aos homossexuais nos países Islâmicos (nem precisa ir tão longe, basta pregar a bíblia em público em alguns destes países para ser condenado à morte) mas, curiosamente, o Politicamente Correto e sua incoerência protege este tipo de coisa, dando o nome eufemístico de “Multiculturalismo”. Em um panorama mais popular e profano, quantas mortes ocorrem por ano por causa de futebol mesmo?


protesto

Acredito que já tenhamos elementos para debate por hoje. Se você se interessou em conhecer e estudar as Qlipoth, recomendo o Curso Avançado sobre a Árvore da Morte na Daemon Editora, mas somente para quem já tem conhecimento sobre Kabbalah Hermética.


233 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page