Não se faz ouro…


Zzurto

Em todo evento com enteógenos existem algumas expectativas: seja um temor por aquele absurdo geral de se colocar a beira da realidade habitual; seja a possibilidade de novas conexões a trazerem novos discursos e caminhos, não importa muito tudo corre para um desconhecido. Mas convenhamos que existe uma atitude relativamente comum, numa parte considerável destas pessoas, que implica em aumentar o próprio terror com frases e posicionamentos sobre si bastante depreciativos acerca de suas capacidades e possíveis experiências. Não preciso me ater aqui a explicar que isso em nada auxilia. Certo de que é só um processo geral que trabalhamos na tentativa de antecipar os possíveis problemas que muitas das vezes não se realizam.

Entretanto há um fator curioso na egrégora geral destes movimentos que eu coloco como “instinto esquisotérico”, ou seria místicóide(?), que impregna essas situações com sentimentalismos tolos e frases de efeito dignas das melhores publicações de autoajuda (seria um “golpe de retorno”?). Sabendo de antemão que isso faz parte do processo de criar um sentimento geral de segurança, não vejo uma utilidade maior do que isso. Vê alguém agindo assim é estranho por simplesmente nesses momentos desejarmos verdades e sinceridades, acabamos por topar em atuações e disfarces forçados que nos causam enjoo.

É quando insistimos a olhar para o lado esperançosos de ver autenticidade por perto e satisfatoriamente percebemos que não são todos estes atores (ou ao menos não são todos atores tão ruins). Mas o espírito geral destas ações podem fatalmente “incumbir” a egrégora de que esse espírito é uma faceta necessária para que nos sintamos bem e assim já estamos magnetizados pelo frenesi abobalhado destes.

Eu considero esse tipo de gente um canal. Por esses canais passam o que há de mais básico das nossas expectativas no que se refere à segurança e afeto. Isso em momento algum é ruim, só quando parte para vozes fakes, forçadamente suaves que transparecem uma ignorância ou falsidade por parte destes, típica dos passivos religiosos, que só querem um frenesi permitido por D’us para santificarem uma fé em possibilidades remotas.

A fé é só mais um instrumento, há de se frisar isso, eu mesmo sou adepto de que a crença é mais efetiva e mais útil. Acreditar é diferente de achar possível. A espiritualidade (no sentido mais amplo do termo) não precisa de fé para que exista, mas deveríamos ser mais aptos a comprovar sua presença e a acreditarmos nela e não somente acharmos que é simplesmente possível ou provável. O que importa mesmo é sermos capazes de agir verdadeiramente ou toda a gama de informações sobre o autoconhecimento e unidade não passarão de balela.

Já li em várias publicações que um fator importante na condução da magia prática é a utilização de um teatro onde nós nos colocamos na pele de alguma divindade e implicamos na realidade a partir deste sentimento. Contudo vale a pena se transformar num personagem para vida inteira?

O rito seja este qual for é um mecanismo para estímulo de capacidades que já temos, é um teatro e serve somente durante o teatro. As condições e implicações que existam durante o teatro devem acabar ali e continuar em outro nível do inconsciente. Assim ao acabar o rito as mecânicas relacionadas devem ser deixadas de lado. Como uma peça que termina.

Perceba então que há uma quantidade considerável de indivíduos que se enquadram nos mais variados estereótipos conhecidos. Este do qual cito e que sofre do “instinto esquisotérico”, chamo de “místico algodão-doce”, onde tudo é lindo e a vida é repleta de aventuras advindas diretamente dos roteiros dos ursinhos carinhosos. Esse personagem é mais comum do que parece e não é preciso muito esforço pra descobrir que por baixo desse espírito há um ser humano normal cheio de defeitos. É provavelmente a grande razão de alguém tomar pra si esse tipo de postura, para evitar os defeitos que não se deseja mostrar ou encarar. Contudo no caminho da grande obra tomar pra si essa pureza patética é na verdade não enxergar o óbvio.

Primeiro vamos pensar no ABC que todo buscador deveria parar para refletir. O que é de fato o bem o mal? Temos em várias literaturas sérias que tais polaridades implicam em uma mesma condição observada pelos extremos. O bem e o mal, portanto, são facetas de uma mesma forma. Separamos por questões de praticidade, mas se observarmos esse divisão na verdade não existe realmente. Nossas questões morais e éticas são o que mais implicam nesse aspecto do indivíduo, e conduzimos nossas atitudes para um dos dois polos através das escolhas diárias. Separamos então para facilitar nossas compreensões da realidade e para podermos por meio disto conduzir outros aspectos menores e princípios mais básicos por meio de um consenso que nos facilite enquadrar as ações tomadas e assim avaliar e julgar. Mas como avaliar algo se o personagem vive mais do que o indivíduo real?

Partindo dessa premissa tenho eu observado constantemente o nível de veracidade de alguns indivíduos que acabo por conviver. Estes passam o tempo inteiro exalando uma aura de bondade que só convence eles mesmos. Aonde foi dito que pra ser bom é preciso falar manso? Ou sorrir com tudo e pra tudo? Esse tipo de atitude demonstra somente fraqueza e imaturidade destes e provavelmente medo de encarar a realidade crua como ela é. Certa vez escutei de um amigo que a realidade é cruel e selvagem. A vida nos consome diariamente e não enxergar isso é tolice. Claro que isso não significa que tenhamos de sair engolindo o mundo inteiro também. Isso significa que a espiritualidade esta repleta de formas e seres, e que não existe um único ser no universo inteiramente bom ou inteiramente ruim. Dizer que D’us é inteiramente bom é não ser capaz de encarar a realidade de que essa divisão é só uma forma de facilitar compreender a vida, mas na verdade isso não funciona realmente. Na verdade D’us e o Diabo são duas facetas de uma mesma forma e esse conflito entre os dois é na verdade uma alegoria da luta dual que enfrentamos durante a vida inteira.

Sendo assim implicar em uma mansidão vaga ou mesmo irreal que não se apoia em nada do indivíduo, nada verdadeiro ao menos, é pura tolice. A confiança é desenvolvida por meio de realidades e é por isso que quando uma confiança se apoia em mentiras esta fatalmente deixará de existir e provavelmente não será reconstruída tão facilmente.

Para atuar na magia há de se ter verdades incrustadas no teatro. Mesmo que personifiquemos um personagem durante o ato, este deverá se apoiar em algum aspecto do indivíduo, para que essa verdade ative outras das quais não dispomos com facilidade. Não há então um personagem totalmente criado. Quando vestimos a roupa deste, ele não poderá mais ser de mentira ou nada será extraído dessa ação. O paradoxo dessa condição é um mecanismo genial que se ativa durante o rito. No ato de apoiar o personagem em algo que já existe em você abre-se um caminho para que características deste personagem cheguem até o magista. Em suma se atua insistindo em verdades por que no fundo o vaso é capaz de conter o ouro. Ou, como o velho ditado diz, não se faz ouro sem ouro.

__________________________

leia também:

A consciência cria a realidade

Zzurto blog

Curtam o Zzurto no face!

Zzurto no G+

#MagiaPrática

1 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo