MIMIMI e a Não Expressão das Emoções Negativas – Parte 2

Atualizado: 30 de abr.


Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo. E como se um homem, partindo para fora da terra, deixasse a sua casa, e desse autoridade aos seus servos, e a cada um a sua obra, e mandasse ao porteiro que vigiasse. Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o senhor da casa; se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã, para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo.

E as coisas que vos digo, digo-as a todos: Vigiai.

Marcos 13:33-37


A observação de si mesmo exige enorme esforço, mas é sempre recompensada. Atenção é energia e direcionar nossa atenção para nosso próprio desenvolvimento não pode ter outro resultado, pois como dizem os sábios irmãos do Círculo de Estudos Egregore: o sucesso é nossa única possibilidade.

Propus em nosso último texto que fizéssemos uma observação da expressão das emoções negativas, nossas e das pessoas a nossa volta. Bom chegou a hora de analisarmos 3 possíveis resultados e fazermos alguns apontamentos sobre a prática daqui para frente.

A primeira coisa que você deve ter constatado é como as pessoas, e nós mesmos, reclamam o tempo todo, das coisas menores, das coisas maiores, dos problemas reais, dos imaginários, de tudo e de todos. Você abriu uma porta da sua percepção para isso e enxergou uma realidade até então inexistente, parabéns, você expandiu sua consciência e sua compreensão do universo. Não é necessário se estender esse tópico, o que você deve ter percebido em você e nos outros foi o que falamos no primeiro post.

Eis que surge a segunda coisa.

Ao controlar a expressão das suas emoções negativas ou tomar consciência delas você pode ter se sentido inundado pelas expressões alheias, um incômodo frequente, um desgaste, fraqueza, irritação. O que seria isso ? É triste lhe dizer mas essa percepção é um mimimi interno, essa resistência é uma luta sua contra o que você não concorda por não compreender: o estágio de desenvolvimento do outro.

Uma possível causa para essas sensações é que o ego é muito maleável e adaptável, como você expandiu sua consciência nessa direção ele também veio, e agora ele está se valendo do conhecimento adquirido por você pra se colocar acima dos demais e continuar o processo de reclamação/movimentação energética fácil. Basta observar suas primeiras reações quando percebe o mimimi alheio, eles podem variar dentro do espectro superioridade/irritabilidade, você se sente superior por estar livre daquilo ao mesmo tempo em que aquele processo te irrita, e porque te irritaria ? Porque você ainda tem ele dentro de você.

Incessantemente começamos a julgar as expressões alheias e ao invés de meramente compreender o processo que o outro ser está, e entender que quando nos propomos a trabalhar esse aspecto o universo vai nos ajudar mostrando onde ele está O TEMPO TODO. E isso não é ruim, se você se entregar de verdade ao trabalho os resultados serão muito bons, mas lembre-se só os super esforços são recompensados, se você correu 5 km hoje, não pode correr 5 km pra sempre, você precisa evoluir.

O terceiro aspecto é uma possibilidade do que pode ter acontecido, e caso não tenho ele é também uma sugestão da prática daqui pra frente. Quando numa roda de pessoas, é muito fácil perceber o quão rápido as coisas descambam para as emoções negativas, porém, essa característica de ser humano pode ser usada em favor de seu desenvolvimento. Somos muito suscetíveis ao ambiente a nossa volta, portanto é natural que quando alguém comece a falar mal ou reclamar todos embarquem nessa, o lado bom é que o contrário também é verdadeiro.

Quando se ver envolvido numa situação desse tipo, reverta a polaridade da conversa falando alguma coisa boa de alguém ou enxergando um lado bom da situação ou pessoa, claro que isso precisa ser treinado para não se tornar um aspecto muito polianesco e sim uma coisa calcada na realidade. Talvez seja necessário inclusive mudar completamente de assunto, mas as pessoas estão dispostas a isso, somos muito maria-vai-com-as-outras. Claro que existem aqueles que são tão identificados com o mimimi que é difícil fazê-los mudar de assunto, mas isso não deve desanimar você de continuar tentando, faça o seu melhor e os resultados aparecerão, segundo Salomão a diligência é o maior tesouro de um homem.

Essa prática esta intimamente ligada com o ditado: Seja a mudança que você quer ser no mundo.

Quando as pessoas a sua volta não querem cooperar não se zangue, reconheça a expressão da energia negativa tal como é, o mestre Eckart Tolle fala em “ser o saber”, e não “ser a reação” e o juiz, e não há melhor forma de expressar tudo o que disse até aqui do que isso. Ao julgar você logo toma uma posição e já quer defendê-la: “veja como ele é inconsciente e eu sou super consciente”, “essa gente a minha volta é muito reclamante”, ou a pior de todas “você só reclama da vida o tempo todo, você só fala mal dos outros!”, você acabou de acusar a pessoa do que acaba de fazer. Essa é a armadilha da reclamação.

Por último quero deixar uma imagem importante do que é um possível indicador da expansão da consciência. Antes do início do processo de desenvolvimento, cometemos falhas ou quaisquer atos motivados por inconsciência ou ignorância e nem nos damos conta. Quando começamos na senda, reconhecemos alguns desses atos depois de muito tempo, quando olhamos para trás. O desenvolvimento progride e o tempo de resposta da consciência diminui, cada vez mais. Horas, minutos, segundos. A consciência acelera até o ponto onde durante o próprio ato ela surge e aí você pede desculpas, volta atrás, etc.

A meta, o desenvolvimento perfeito é uma consciência tão expandida e tão acelerada ao ponto de anteceder o ato, ou o conflito e evitá-lo antes que aconteça. Essa é a mensagem do evangelho que abre o texto: OLHAI (para suas atitudes, pensamentos e emoções), VIGIAI (mantenha-se consciente, longe da ignorância) e ORAI (reconecte-se com o divino). Chegar lá depende apenas de trabalho.

Mãos à obra, à Grande Obra.

Chay !

#hermetismo

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo