Laboratório Alquímico

Atualizado: 30 de abr.


Saudações nas Sete Notas do Pentagrama,

A ilustração logo abaixo, foi extraída do livro Amphitheatrum Sapientiae Aeternae (1595) escrito e ilustrado pelo alquimista medieval Heinrich Khunrath, discípulo de Paracelso e possivelmente, aluno de John Dee. Nesta rica ilustração, Khunrath insere quatro instrumentos musicais no meio de um laboratório alquímico.


O conjunto do laboratório evoca os diversos aspectos das relações do alquimista com a Divindade ou o Cosmo. A perspectiva do desenho nos sugere o Infinito. À esquerda, o alquimista está orando diante de um altar abrigado debaixo de uma tenda, uma alusão ao Tabernáculo de Moisés.

O ambiente é iluminado por um lustre no formato da estrela setenária, à direita, está o forno alquímico com seus acessórios, sustentado pelas duas colunas, a da Razão e a da Experiência. No centro do laboratório, há uma mesa repleta de objetos; a balança e seus pesos, a sineta, a faca, diversos recipientes, livros e, enfim, quatro instrumentos evocando, muito provavelmente, os quatro elementos.

Na simbologia medieval a Harpa corresponde ao Fogo, instrumento que remonta à Antiguidade. O antigo testamento bíblico nos traz diversas referências acerca deste instrumento, indicando seu uso no acompanhamento dos salmos/cânticos e na expulsão de maus espíritos. No ternário alquímico a harpa identifica-se com o enxofre; no quaternário, toma o símbolo de Fogo; no setenário, o do Sol.

O Alaúde (acima à direita) corresponde à Água, para quem não conhece o alaúde é um instrumento de cordas dedilhadas e de braço, semelhante ao violão, foi muito usado do século XIV ao XVIII. É o antigo instrumento dos Bardos, Poetas.

A Viela ou Viola é um dos predecessores do violino e antigamente possuía de três a cinco cordas. Nas iconografias medievais, geralmente representa o elemento Terra.

Embaixo do Alaúde e da Viola verificamos o Cistro (não confundir com Sistro), que corresponde ao Ar. É um instrumento que, de aparência e timbre, lembra o Bouzouki irlandês. Foi muito popular neste período pois era um tanto mais fácil de construir que o Alaúde.

Os alquimistas, em geral, expressavam estreitas relações entre a sua arte e a música, a ponto de qualificar a Grande Arte (a alquimia) como Arte musical. Numerosas ilustrações representam o alquimista executando seus trabalhos ao som dos instrumentos da época. A inscrição latina na toalha sob os instrumentos poderia ser assim traduzida: “A música sacra dispersa os espíritos melancólicos e malignos”. Khunrath, portanto, parece insistir sobre a ajuda fornecida pela música aos trabalhos do alquimista.

Melodia Alquímica

Inspirado na ilustração de Khunrath e na via alquímica, compus uma pequena peça instrumental, quintessência de uma experiência alquímica, com moldes próximos aos das canções medievais, para Alaúde, Viola da Gamba, Flauta, Violão medieval e percussão. Chama-se “Anfiteatro da Sabedoria Eterna” e pode ser ouvida neste link» AQUI

Fabio Almeida Perfil Pessoal: https://www.facebook.com/ffabioalmeida Blog: http://www.sinfoniacosmica.com/ Música: https://soundcloud.com/fabio_almeida

#Alquimia #Arte #Música

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo