Individualização e Verdadeira Vontade

Atualizado: 12 de mar.


Tradução:Mago implacavel

Revisão: (não) Maga patalógica


Na seção anterior deste ensaio, foi visto como a mente inibe a expressão plena da Vontade. O "fator infinito e desconhecido" é a "Vontade subconsciente", e, portanto, se podemos eliminar os complexos de pensamento que impedem que essa Vontade se manifeste, conheceremos nossa Vontade. Este processo pelo qual conhecemos e fazemos a nossa Vontade é chamado em alguns lugares "A Grande Obra". Crowley explica a Grande Obra de conhecer a verdadeira Vontade, de forma concisa quando escreve,


“Não devemos nos considerar como seres básicos, sem cuja esfera é Luz ou" Deus ". Nossas mentes e corpos são véus da Luz interior. O não iniciado é uma "Estrela Negra", e a Grande Obra para ele é fazer seus véus transparentes "purificando" eles. Esta "purificação" é realmente "simplificação"; não é que o véu esteja sujo, mas que a complexidade de suas dobras torna opaco. O Grande Trabalho consiste, portanto, principalmente na solução de complexos. Tudo em si é perfeito, mas quando as coisas estão confusas, elas se tornam "malvadas".¹


Este processo da Grande Obra que "consiste principalmente na solução de complexos" também é coincidente com uma frase Crowley freqüentemente usada: Conhecimento e Conversação do Santo Anjo Guardião. Ele afirma essa identidade o mais claramente possível quando escreve: "A Grande Obra é a realização do Conhecimento e Conversação do SAG.”


O processo pelo qual conhecemos e fazemos nossa Vontade é a solução de complexos que inibem o fluxo livre e natural da Vontade. A Grande Obra é simplesmente uma remoção das inibições do eu consciente para permitir que o Eu verdadeiro, que contenha elementos conscientes e subconscientes, reine livremente para fazer o ele Quer. A teoria é que, se só pudermos "limpar as portas da percepção" (como William Blake diz), teremos permissão para manifestar efetivamente a nossa Vontade pura. Crowley escreve: "Nosso próprio Ser silencioso, indefeso e sem palavras, escondido dentro de nós, surgirá, se tivermos arte para soltá-lo para a Luz, avançar rapidamente com seu grito de Batalha, a Palavra de nossas Verdadeiras Vontades. Esta é a Tarefa do Adepto, para ter o Conhecimento e a Conversação de Seu Santo Anjo Guardião, para tomar consciência de sua natureza e seu propósito, cumprindo-os ".³ Aqui Crowley não só faz o Conhecimento e Conversação do Santo Anjo da Guarda análogo a tornando-se consciente e cumprindo a natureza e o propósito de alguém, mas ele admite que tudo o que precisamos é de "ofício para soltar" esse "Eu Mágico" e então, naturalmente, a "Palavra de nossas Verdades Vontades" será "brotar luxuriante pra frente".


As várias formas de Horus encontradas no Liber AL vel Legis (Ra-Hoor-Khuit, Hoor-paar-kraat, Heru-pa-kraath, Heru-ra-ha, etc.) 4 representam uma expressão simbólica do "Silencioso" ou "True Self" e, portanto, também um símbolo do Sagrado Anjo da Guarda. Horus é, portanto, uma expressão arquetípica do Eu a que todos aspiram a se unir ou se identificar com "A Grande Obra". Isto é falado em Liber AL quando Hórus, o falante do terceiro capítulo, diz: "Fazei a Mim a vossa reverência! vinde vós a mim através da tribulação do ordálio que é êxtase. ".5 Crowley explica:


Vimos que Ra-Hoor-Khuit é, em um sentido, o Eu Silencioso em um homem, um Nome de seu Khabs, não tão impessoal como Hadit, mas a primeira e menos falsa formulação do Ego. Devemos venerar este eu em nós, então, não para suprimir e subordiná-lo. Nem nós devemos evadir, mas para chegar a ele. Isso é feito "através da tribulação da provação". Esta tribulação é a experiência no processo chamado Psicanálise, agora que a ciência oficial adotou - na medida em que a inteligência inferior permite - os métodos do magus. Mas a "provação" é "êxtase"; a solução de cada complexo por "tribulação" ... é o espasmo da alegria, que é o acompanhamento fisiológico e psicológico de qualquer alívio da tensão e congestionamento ".

Crowley identifica Horus como uma expressão simbólica do Eu cuja Vontade não deve ser suprimida, subordinada ou evadida. O mais surpreendente das declarações de Crowley é que ele afirma que a "tribulação da provação" da Grande Obra é coincidente com a Psicanálise, uma conexão direta novamente entre a psicologia e Thelema. Com isso, podemos ver que o processo da psicanálise é análogo ao "Grande Trabalho" e ao "Conhecimento e Conversação do Santo Anjo da Guarda": é uma realização do verdadeiro Eu.


Carl Jung considerou esse mesmo processo de "individuação". Ele define a individuação como:


“Tornando-se um "in-divíduo", e na medida em que a "individualidade" abrange a nossa singularidade, última e incomparável unicidade, também implica tornar-se a si próprio. Podemos, portanto, traduzir a individuação como "chegando à individualidade" ou "auto-realização ..." Os egotistas são chamados de "egoísta", mas isso, naturalmente, não tem nada a ver com o conceito de "eu", como estou usando aqui ... Individuação, portanto, só pode significar um processo de desenvolvimento psicológico que satisfaça as qualidades individuais dadas; em outras palavras, é um processo pelo qual um homem se torna o ser definitivo e único, ele é de fato. Ao fazê-lo, ele não se torna "egoísta" no sentido ordinário da palavra, mas está cumprindo apenas a peculiaridade de sua natureza, e isso ... é muito diferente do egoísmo ou do individualismo.

Jung aqui afirma que a individuação é uma "auto-realização", mas garante a qualificação dessa afirmação dizendo que isso não significa um fortalecimento do ego essencial. Este eu que se realiza está além da noção egocêntrica normal de "eu". Em vez disso, este eu contém tanto o consciente (onde o ego reside) quanto os fatores inconscientes. Jung explica que "o consciente e o inconsciente não são necessariamente opostos um ao outro, mas complementam outro para formar uma totalidade, que é o eu" .8 Este é o Eu que vem a "através da tribulação da provação". Horus é um símbolo desse Eu em Liber AL vel Legis, e em outros lugares o Sagrado Anjo da Guarda é mencionado como esse símbolo. Crowley escreve: "O anjo é o verdadeiro eu de seu eu subconsciente, a vida escondida de sua vida física" e "seu anjo é a unidade que expressa a soma dos elementos desse eu" 9, um paralelo quase exato de A definição de Jung do "eu".10


Conforme afirmado anteriormente por Crowley, este processo de individuação ou "A Grande Obra ... consiste principalmente na solução de complexos", e é simplesmente tornar-se consciente e satisfazer a própria natureza. Através desta grande obra de individuação, alguém se identifica com este eu. Em Thelema, faz-se tal sob a figura de Hórus.11 Um vem a saber que "ele [ou ela] é Harpocrates, o Menino Hórus ... isto é, ele está em Unidade com sua própria Natureza Secreta". 12


Pode-se até mesmo afirmar que a Grande Obra é um processo natural da psique humana. Carl Jung diz: "a força motriz [do inconsciente], na medida em que é possível para nós entendê-lo, parece ser, na essência, apenas um impulso para a auto-realização" .13 Nesse sentido, todos os humanos estão participando de o drama da "Grande Obra", cada um esforçando-se, conscientemente ou inconscientemente, para essa união de naturezas subconscientes e conscientes no Eu, para que eles possam realizar suas Forças de forma mais completa.


 

1 Crowley, Aleister. The Law is for All, I:8.

2 Crowley, Aleister. Liber Aleph, “De Gradibus ad Magnum Opus.”

3 Crowley, Aleister. The Law is for All, I:7.

4 É interessante notar que Crowley diz em seu comentário do Liber Al, “O Louco tamém é o Grande Louco,Bacchus Diphues, Harpocrates, the Eu Anão, o SAG, enfim,” essencialmente equiparando todos os símbolos. Depois, ele escreve em seu comentário do Liber Al II:8, “Harpocrates é… a Alma Anã, o Self Secreto de cada homem, a serpente com a cabeça de Leão.” Se isso for verdade, e de acordo com o Liber Al i:8 “Hoor-paar-kraat” (um nome para Harpócrates) é dado como a fonte do Liber AL vel Legis como o próprio livro proclama, então Liber AL foi de fato a manifestação do inconsciente de Crowley. O fato é que o inconsciente contém “tanto o conhecimento quanto o poder” maior que a mente consciente e, portanto, é bem possível que o Liver Al vel legis seja uma manifestação do mesmo.

5 Crowley, Aleister. Liber AL vel Legis, III:62.

6 Crowley, Aleister. The Law is for All, III:62.

7 Jung, Carl. “The Function of the Unconscious” from The Collected Works of C.G. Jung vol.7, par.266-267.

8 Jung, Carl. “The Function of the Unconscious” from The Collected Works of C.G. Jung vol.7, par.274.

9 Crowley, Aleister. “Liber Samekh,” Ponto II, Seção G.

10 Por estas considerações será visto que o SAG é mais acertadamente não um ente externo como algum grupos thelemicos dizem. Isto é dito provavelemente devido a uma declaração feita por Crowley no Magick Without Tears, um tratado feito pra iniciantes totais. Temos que entender que o subconsciente pode e aparece um autonomo para a mente consciente. Portanto, alguém pode dizer que o Anjo está “fora” do individuo pois parece que ele funciona autonomamente considerando o ponto de vita do ego, mas em ultima instancia , chega-se a ver que o Anjo é, de fato, o somatório de ambas as naturezas subconscientes e conscientes que compõem o Eu.

11 Numa nota de rodapé do capitulo 90 do Confessions of Aleister Crowley, Symonds escreve sobre uma declaração que Crowley fez para um discípulo Frank Bennett: "Quero explicar-lhe plenamente, e em poucas palavras, o que significa iniciação, e o que se entende quando conversamos sobre o Eu Real e o que o Eu Real é. "E então, Crowley disse a ele que era tudo uma questão de conseguir que a mente subconsciente funcionasse; e quando essa mente subconsciente tem permissão a dominação total da mente, sem interferência da mente consciente, então a iluminação poderia começar; Para a mente subconsciente era nosso Santo Anjo da Guarda. Crowley ilustrou o ponto assim: tudo é experimentado na mente subconsciente, e ele (o subconsciente) está constantemente exortando sua vontade na consciência, e quando os desejos internos são restritos ou suprimidos, o mal de todos os tipos é o resultado ". Embora isso seja diretamente ade acrodo com nossas conclusões, incluí-lo apenas em uma nota de rodapé porque é uma conta de terceiros.

12 Crowley, Aleister. Liber Aleph, “De Gramine Sanctissimo Arabico.”

13 Jung, Carl. “The Function of the Unconscious” from The Collected Works of C.G. Jung vol.7, par.291.


Link texto original: https://iao131.com/2013/03/02/psychology-of-liber-al-pt-5-individuation-and-the-true-will/


#Thelema

13 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo