Dinheiro e Magia

Atualizado: 11 de abr.

Recebi este email e acho que daria um bom post…

Marcelo A única ordem da qual participei, por alguns anos, tinha por princípio não envolver dinheiro. Lembro que, quando fui comvidado a participar, isto foi dito claramente: as pessoas aqui estão unidas apenas por afeto, não por dinheiro. E de fato assim foi. Nunca paguei mais do que uma pizza no fim da noite… Também recebi o conselho de jamais pagar por conhecimento esotérico. Como você vê a troca desse tipo de instrução, que, a meu ver, deveria ser dada desinteressadamente, por bens? Não consigo achar que pagar para participar de rituais é a mesma coisa que pagar por uma aula de matemática. Enfim, pergunto isso também porque tenho vontade de frequentar cursos do IIPC (Waldo Vieira), os quais eu gostaria de ter feito na adolescência mas não fiz porque não tinha grana. Entrei no site deles e parece, hoje, uma empresa de prestação de serviços. Tens opinião sobre o insituto? Em geral, achas que está bem essa mistura de dinheiro com desenvolvimento interno? Sei que as pessoas precisam viver, mas sempre tive a idéia de que uma coisa deveria permanecer separada da outra, vida mundana e desenvolvimento interno. Pergunto não pra provocar, mas porque realmente me questiono. Que tal um terapeuta que te faz fechar os olhos e te leva pra dentro da pirâmide, te dá contato com aspectos superiores teus, eventualmente com seres, e depois cobra R$ 200,00 por isso. Não tem nada errado com isso? É razoável usar o poder de ajudar o semelhante, seja em que aspecto for, para ganhar retorno material? Entendo que o retorno possa vir, as pessoas precisam viver, médicos (me formo ano que vem) ajudam pessoas e vivem disso. Mas ajudar POR isso parece ter algo errado. Algum retorno material por toda essa exposição que tu tem na internet tu deve receber, mas imagino que o objetivo primário é o esclarecimento. O retorno é só uma conseqüência. Certo? No fim fiz umas três perguntas distimtas, mas conto com a tua boa vontade pra responder.. rs Valeu


Despesas, O Dinheiro de Malkuth Em Ordens Iniciáticas sérias, o que é cobrado de seus membros é o rateio das despesas geradas por aquele grupo de pessoas: por exemplo, na Maçonaria ou na Rosacruz, as lojas se reúnem em Templos, que são alugados, tem gastos com limpeza, água, luz, xerox, etc. Organizações maiores precisam de toda uma parte burocrática como registros (às vezes internacionais), sites, carteirinhas, documentação, etc. Seria muita ingenuidade achar que se vai entrar em uma Ordem iniciática e não pagar nada. Porém, o CONHECIMENTO dentro destas Ordens nunca é cobrado. Nunca ouvi falar em uma loja onde se cobrassem pelas instruções ou palestras (salvo doações ou cotizações). Você pode pagar por um grau (por exemplo, na Maçonaria, por uma taxa que é paga uma parte para o GOB, etc para documentaçao e uma parte que fica com a loja para gastos de manutençao de caixa, para compra de equipamentos, etc que é gerenciado pela própria loja e o próprio membro tem conhecimento de para onde vai este dinheiro). Em todas estas ordens, os membros têm empregos profanos que garantem sua sobrevivencia em Malkuth e estão ali por sacro-ofício. Não existe alguem cuja profissão seja “rosacruz” ou “maçom” ou “ocultista” ou “esotérico”. Mesmo em centros Kardecistas ou terreiros de Umbanda/Candomblé sérios, os médiuns não vivem daquilo. Toda a assistência é feita gratuitamente. Se “pai de santo” é a profissão daquele sujeito, alguma coisa está errada…


Cotizações, o Dinheiro de Hod Muitas vezes, terreiros ou templos organizam cursos para arrecadar algum dinheiro extra, para uma reforma, por exemplo. Nestes casos, um terreiro/casa poderia organizar um “Curso sobre XYZ” e cobrar dos alunos um valor para ajudar nas despesas da casa.

Cobrar por ministrar um curso não está errado, na medida em que a pessoa gastou tempo, energia, livros, pesquisas, viagens e trabalho para conseguir adquirir estas informações e conteúdo. Você paga por uma aula de desenho porque o professor gastou tempo, dinheiro, materiais e energia para adquirir aquela técnica e poderia estar em casa com a família dele ao invés de estar dando aula para você. É justo, portanto, que você pague pelo tempo dele. Hod paga Hod.

Nos terreiros é normal os médiuns da casa pagarem uma mensalidade para custear as velas, flores, frutas, enfeites, estátuas e a própria manutenção da casa, e da assistência geralmente não é cobrado nada.


O Dízimo e o Dinheiro de Netzach E o mesmo pode ser aplicado às religiões. O dízimo não está errado, errados estão os pastores que o desviam para seus polpudos salários, enganando os fiéis e contrariando a Lei de Amra. Doações via Lei de Amra não podem ser usadas NEM MESMO para o uso do templo. Na maçonaria e na RC isto é bem claro: há contas separadas para a Hospitalaria e a tesouraria. O dinheiro do Tronco de beneficência e doações NUNCA é usado para a reforma do templo ou compra de velas, por exemplo.

Esta é a diferença entre magistas e charlatões. O mesmo se aplica a ‘tarólogos’, ‘videntes’, ‘adivinhos’, ‘astrólogos’ e toda sorte de picaretas que prometem amarrações, pactos e milagres, cobrando para falar o que o consulente quer ouvir e transformam isso em “profissão”. Sim, eu tenho muitos inimigos entre os esquisotéricos profissionais por esta postura de que “esoterismo não é emprego” e é uma das razões pelas quais dificilmente vocês me verão palestrar fora de ordens maçônicas ou rosacrucianas (alias, nunca cobrei um centavo para palestrar em uma Loja, porém, a mesma palestra é bastante cara quando ministrada como aula magna em uma faculdade de arquitetura, por exemplo).


Resumindo: existem três tipos de “dinheiro” quando se fala de magia e religião. Uma parte profana, uma parte intelectual e uma parte de caridade. Não os misture.

#Blogosfera

9 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo