top of page

Devoção e Razão

Vivemos em um país onde nossas crenças, até certo ponto, são respeitadas. Não precisamos, como em certos países do Oriente Médio, escondê-las. Mas mesmo assim, é evidente o modo como estas crenças vistas de modo individual, às vezes beiram ao fanatismo de torcidas organizadas. Neste Brasil onde os eleitores são chamados de "curral eleitoral", além de outros motivos, acredito que também por causa do mesmo fanatismo que os leva às ruas com camisas e cores do partido para, logo após seu candidato depois de eleito, mais uma vez esquecer de tudo.


A que ponto eu quero chegar com toda esta conversa? Bom, quero mostrar o quanto a crença cega de diversos ramos como: torcedores de futebol, crentes, ateus-ortodoxos e por que não os esquisotéricos, é nociva.


"Intolerância religiosa é um termo que descreve a atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar as diferenças ou crenças religiosas de terceiros. Poderá ter origem nas próprias crenças religiosas de alguém ou ser motivada pela intolerância contra as crenças e práticas religiosas de outrem. A intolerância religiosa pode resultar em perseguição religiosa e ambas têm sido comuns através da história. A maioria dos grupos religiosos já passou por tal situação numa época ou noutra." Fonte: Wikipédia


Normalmente a crença é encarada como uma doença mental grave por ramos mais ortodoxos de intelectuais modernos. Aí está o outro lado da moeda. E a razão é tida da mesma forma pela contraparte "crente".


Em minha humilde concepção, estas duas faculdades do espírito humano cortaram relações quando a devoção fanática abafou o intelecto. Indo historicamente desde o assassinato brutal da grande Hipátia de Alexandria, até o fim da temida Idade das Trevas.


Depois do final a muito tempo esperado da Era da Ignorância, mentes célebres do iluminismo aclararam a humanidade novamente. Pena que com o tempo, a razão, pela sua enorme vontade, abafou a crença. Mas se não fosse ela, ainda teríamos sacrifícios a homicidas deuses de raça. Pois o maior motivo dos homens de pensamento não engolirem a idéia de religião, é porque muitas pessoas ainda vivem à época das religiões de raça. Onde se crê apenas em um deus se suas necessidades materiais e imediatas forem supridas. O Cristianismo Místico e o Budismo, sendo as religiões mais avançadas hoje, pregam o desapego, a individuação (não individualismo) e a crença em uma Fraternidade Universal.


Entretanto, como muito bem evidenciou Eliphas Levi, o vulgo é mais de admirar do que conhecer. Portanto, vendo desta forma, o intelecto que provém da razão, necessária para uma compreensão científica. E a devoção, que é originada na crença em uma religião não-egóica (seja o que for, o que importa é que te dê um solo para se apoiar), necessária para uma manifestação plena da vontade no ser, são inseparáveis. E seu afastamento cria a irrealidade e o aleijo do espírito humano. E na união, o Templo de Deus se manifestará.


Não há emoção, há paz.

Não há ignorância, há conhecimento.

Não há paixão, há serenidade.

Nao há caos, há harmonia.

Não há morte, há a Força.

41 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page