De Quem é a Culpa?



Texto de Emerson Luiz, publicado originalmente na coluna Espiritismo Sob a Luz do Universal, no blog Autoconhecimento & Liberdade

De quem é a culpa?


É do trem que se atrasa, do ônibus que não chega e, quando chega, chega lotado (assim como o trem). É do outro, sempre é do outro: Da má educação, da impaciência, da falta de atenção, do egoísmo, da imoralidade, da promiscuidade, da gula, da ganância… Do outro. Todos são culpados, mas ninguém tem a culpa. Afinal, mesmo que eu cometa as mais profundas atrocidades ou machuque profundamente aqueles que eu mais amo, ainda assim, a culpa será de alguém, ou alguma coisa, que não eu.


Pois, caso eu assumisse que sou responsável por mim mesmo, muita coisa teria que mudar e, talvez, minha culpa não coubesse mais em um copo de cerveja, num maço de cigarro, num pacote de salgadinho ou numa barra de chocolate. Caso eu viesse a entender que todo direito compreende um dever e que ter uma alma é muita responsabilidade, talvez e somente talvez, quando começassem a reclamar perto de mim eu diria algo positivo, ou quando alguém próximo jogasse um pedaço de papel no chão, eu faria alguma coisa (quem sabe pegar o papel e jogar no cesto?).

Caso eu viesse a entender a Sabedoria milenar que diz “Vós sois deuses” ou então “Podeis fazer o que faço e muito mais”, ou até mesmo a que diz “Todo homem e toda mulher é uma estrela”, eu teria que me assumir de uma vez por todas. Mas pra que ser um deus? Ou pra que ser uma estrela? Pra que fazer mais? Deuses precisam viver e deixar legados, exemplos, marcos e inspirações; Homens só precisam existir, é muito mais fácil. Estrelas tem que gerar seu próprio calor, tem que emanar Luz aos outros e aprenderem à conhecer as trevas que coexistem ao seu redor; É muito mais simples refletir a Luz alheia e, claro, reclamar quando ela estiver intensa demais ou amena demais, afinal, a culpa é dela. Fazer mais não é preciso, porque existir já é cansativo, imagina viver?

Para terminar, eu prefiro ser normal, pois a normalidade é inquestionável, seguir roteiros é muito mais simples. Os loucos? Eu tenho medo deles, eles questionam o que vivem e sempre querem fazer de suas vidas alguma coisa brilhante, divertida, querem escrever suas próprias histórias: Por isso são loucos e por isso o Mundo está essa porcaria, a culpa é deles… Eu poderia até querer ser um, mas a preguiça e a covardia que estão lá na primeira página do Roteiro simplesmente não deixam. A culpa é delas.

——————————————————————————————————————————————

Leia Também:

O que é Espiritismo? Partes I, II e III.

Lições de Preto Velho

Inconsciente Flutuante

#Espiritismo

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo