top of page

Cria em mim, ó Deus, um coração puro – Parte 1 de 2


No mês passado, escrevi um pouco sobre a melhor preparação para os futuros deveres da vida, o grande objetivo da Ordem DeMolay e seu diferencial em comparação com todos os outros grupos de jovens. Assentados na prática das Sete Virtudes, nossos trabalhos são apenas reflexos dos ensinamentos que brilham em nosso interior – evidentemente, isto é verdadeiro para toda e qualquer pessoa, não só para os DeMolays.

A Sexta Virtude, Pureza, é talvez a mais complexa. O que é ser puro? Puro em palavras, em sentimentos, em ações, nos gestos e nos pensamentos? Como colocar isso em prática, dentro e fora da Sala Capitular? Eu sei reconhecer se minha própria visão é pura ou turva?

A Igreja Católica considera os dias 1 e 2 de novembro como festas. O dia 2 é muito conhecido aqui no Brasil por ser feriado nacional. O dia 1º, contudo, costuma ser largamente ignorado – o Dia de Todos os Santos. Esta é a data para comemorar todas as pessoas que tornaram-se exemplos àqueles ao seu redor por viverem como santos, isto é, tornarem suas existências sagradas. São os santos anônimos que não receberam uma data no calendário litúrgico nem são venerados em algum santuário particular. Em simplicidade, suas ações tocaram todos os que conheceram.

Enquanto isso, no México, o dia 1º de novembro é a primeira parte da grande comemoração do Dia dos Mortos e é chamado Dia dos Inocentes, dedicado à lembrança das crianças que faleceram; elas são chamadas de inocentes ou ingênuas porque não têm conhecimento do bem e do mal, agindo somente por instinto. Precisam ser ensinadas e educadas para compreenderem as consequências de seus atos, tanto os bons quanto os maus.

Os DeMolays Ativos, de 12 a 21 anos, já não são mais inocentes. É muito comum, especialmente entre os homens, demonstrar que deixaram a meninice falando palavrões e fazendo referência ou insinuação ao sexo. Geralmente atuam desta forma emulando seus irmãos e colegas mais velhos ou mesmo seus pais.

Os seres humanos miram-se em seus pares e os imitam para sentirem-se parte de um grupo, para não perceberem-se sozinhos e solitários em um mundo tão grande. Nosso “Dad” Frank Sherman Land, fundador da Ordem DeMolay, tinha grande consciência deste fato e compreendeu que os garotos mais novos deveriam estar em contato com garotos mais velhos e se espelhar em seus bons exemplos – do contrário, era possível que na falta deles, acabariam adquirindo vícios dos homens dissolutos.

A Pureza é companheira direta da Cortesia, a Terceira Virtude. A má educação não condiz com um interior sem máculas. Como dissemos logo no início deste artigo, esta Virtude é possivelmente a mais complexa porque possui uma série de camadas e de sutilezas. Para ser sincero, todas as Virtudes e todas as lições têm um conjunto cada vez maior de significados e ensinamentos. Acontece que este é um caso particularmente notável onde é preciso mergulhar muito fundo no entendimento para conseguir colocar em prática o ideal.

É mais sincero aquele que não consegue pronunciar “Eu te amo” do que aquele que fala muitas vezes essas palavras sem qualquer sentimento envolvido. Palavras são apenas meios de comunicação, símbolos e signos para transmitir o significado, o verdadeiro sentido da mensagem. A pureza dos gestos e das palavras só existe com a pureza das intenções. Não adianta ser extremamente educado se os pensamentos são destrutivos e a cordialidade, falsa.

Isto não quer dizer que devemos simplesmente ignorar ou nos acostumar com qualquer forma de se expressar. Uma mente limpa não encontra desculpas para destratar subalternos, para tirar vantagem de colegas ou para adular supervisores. A Pureza é a verdade colocada em prática; não a verdade sarcástica ou insensível, mas a verdade de bons propósitos.

O Dr. House é sincero, mas não é puro. Sua atuação, apesar de ser completamente pautada pela franqueza, também é guiada por uma personalidade ególatra, autoabsorvida e irrascível. Mr. Catra é bastante direto e honesto em suas frases, mas o conteúdo e os assuntos de que trata não servem de exemplo de conduta.

Ao mesmo tempo, pureza não é ingenuidade ou inocência. O homem puro conhece o mal que existe no âmago dos homens e, acima de tudo, em seu próprio coração. Ele não reprimiu seus demônios interiores, ele os trouxe para a luz e entendeu que a sombra é parte da composição de qualquer ente. Compreendeu que possui pontos fracos e pontos fortes, mas que o caminho que leva ao Pai Celestial somente pode ser trilhado pelos portadores desta Virtude.

Tudo isso, no entanto, é apenas o primeiro nível, as águas superficiais do oceano da vela representada pelo Sexto Preceptor. No mês que vem, trataremos um pouco sobre os efeitos do comportamento puro e do real sentido da atitude respeitosa dentro de Sala Capitular.

---

Hugo Lima é Sênior DeMolay do Capítulo Imperial de Petrópolis, nº 470.

Virtude Cardealé uma coluna compartilhada por dois Irmãos distantes geograficamente, Kennyo Ismail e Hugo Lima, mas unidos com propósitos dignos da Ordem DeMolay e da causa exemplificada por Jacques DeMolay.

222 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page