Como criar um Diário Mágico

Atualizado: 13 de mar.


O Diário Mágico é algo simples de se fazer e um meio valioso de avaliar a nossa evolução perante a nossa jornada. Ele é basicamente um registro de experimentos, exercícios, insights, sonhos e demais experiências importantes durante a jornada iniciática. Parte das nossas memórias é produto de nossa imaginação, por isto registrar detalhadamente as nossas experiências nos priva de armadilhas de nossa própria mente. Ele é pessoal, porém, embora somente o autor tenha acesso a ele, deve-se escrevê-lo de forma a que outras pessoas também possam entendê-lo.


Aleister Crowley, em seu Líber E vel exercitiorum, dá ênfase a criação do diário mágico, onde lemos (adaptado):


1 - É absolutamente necessário que todos os experimentos sejam anotados detalhadamente, durante ou imediatamente após a sua realização.

2 - É muito importante anotar as condições físicas e mentais do(s) experimentador(es).

3 - A hora e o lugar de todos os experimentos devem ser anotados; também o estado do tempo e, em geral, todas as condições que poderiam ter alguma influência sobre os resultados dos experimentos, quer colaborando ou causando diretamente o resultado, quer o inibindo, ou como fontes de erro.

4 - Nesse estágio não é necessário que declaremos por completo o propósito de nossas pesquisas; nem seria este compreendido por aqueles que não se tornaram peritos nestes cursos elementares.

5 - Ao experimentador se aconselha que use sua própria inteligência, e não confie em qualquer outra pessoa, embora distinta, mesmo entre nós mesmos.

6 - O registro escrito dos experimentos deve ser feito de forma inteligível, para que outros possam se beneficiar de seu estudo.

7 - Quanto mais científico for o relatório, melhor. Contudo, as emoções devem ser anotadas, sendo parte das condições gerais. Que, então, o registro seja escrito com sinceridade e cuidado; com a prática, ele se aproximará cada vez mais do ideal.

Aqui temos um método de criação do Diário Mágico proposto pelo Veos (traduzido pelo Bardonista), bastante conhecido para os que estudam Bardon.


Um bom diário é reconhecido por sua precisão e seu detalhe. Ele não deveria ser os escritos desordenados de um homem louco, mas sim um registro organizado dos acontecimentos kármicos e práticas espirituais em sua vida. Existem coisas que deveriam estar presentes no diário do mago nessa ordem:


1. A data do calendário;

2. A data mágica (o dia da Lua, Marte, Mercúrio, Júpiter, Vênus, Saturno e Sol - segunda-feira, terça-feira, quarta-feira, quinta-feira, sexta-feira, sábado e domingo respectivamente);

3. A data celestial, que é a localização do Sol e da Lua no zodíaco na hora da primeira entrada;

4. A hora da entrada;

5. Os detalhes da prática, experiência, ou realização. No caso da prática, deve-se ser muito preciso quanto à duração da prática, sua natureza, e seus resultados;

6. Acima de tudo, seja verdadeiro consigo mesmo e brutal em sua autocrítica. Se você não praticar por um dia, deixe uma página inteira em branco e comece uma pagina nova no próximo dia.


Eis um exemplo de uma entrada de diário, com algumas explicações em parênteses:

25/05/09

Die Luna (Segunda-feira)

Sol 5Gem00 (O sol está no quinto grau de Gêmeos, zero horas e zero minutos)

Luna 27Gem16 (A lua está no vigésimo sétimo grau de Gêmeos, 16 horas)

08:00 – Acordei. Sem sonhos. Não me sinto com muita energia.

08:13 – Tomei banho e usei a magia da água para lavar o corpo astral. Sinto-me melhor.

08:30-08:50 – 10 malas de Japa em Om Namah Shivaya. Concentração foi ruim no início, mas lá pelo sétimo ou oitavo mala a mente ficou focada. Terminei me sentindo mentalmente leve e fresco, e sentindo alegria no Anahata Chakra.

09:00-09:10 – Sirshasana

09:10-09:20 – Sirvangasana

09:20-09:30 – Paschimottasana

09:30-09:35 – Matsyendrasana

09:35-09:40 – Bhujangasana. Todas as asanas foram boas, com boa concentração. Senti shakti na espinha durante paschimottasana muito intensamente.

09:45-10:15 – 20 Sukha Purvaka Pranayama no ciclo 5:20:10, 3 rondas de 10 Bhastrika Pranayama, 3 rondas de 50 Khapal Bhati Pranayama. Sinto a mente sutil e o corpo leve. Muito suor durante Sukha Purvaka seguido por estremecimento.

13:00-13:10 – 30 acumulações respiratórias de força vital nas mãos e então de volta para o universo. As mãos pareciam prestes a explodir com energia, e muito quentes.

20:00-20:30 – Controle do Pensamento. 20 interrupções menores, 3 interrupções maiores.

22:00-22:20 – Meditação no Senhor Shiva no chakra do coração. Bastante feliz.

22:45 – Lembrar de falar com o professor sobre as visualizações durante Sukha Purvaka!


Notas do Tradutor

1 – Veos comete quase o mesmo erro de Aleister Crowley, que iniciava os diários de maneira parecida. No caso de Crowley, ele escrevia a “data mágica” da seguinte maneira (por exemplo): Die Saturn, misturando latim e inglês. Veos tenta escrever a palavra latina correspondente a “dia” e o planeta correspondente também em latim, mas, na verdade, o correto gramaticalmente em latim seria:


Dies Solis (Domingo)

Dies Lunæ (Segunda-feira)

Dies Martis (Terça-feira)

Dies Mercurii (Quarta-feira)

Dies Jovis (Quinta-feira)

Dies Veneris (Sexta-feira)

Die Saturnii (Sábado)


Para algumas pessoas, o correto seria ter Diários Mágicos, pois cada um deve ter uma finalidade diferente. Digamos que você seja um pink wicca e um saulista ("aspirantes" a Saulo Calderon). Então, deveria ter dois diários mágicos - um para suas práticas esquisotéricas e outro para suas tentativas de viagens astrais. Além disso, não preciso gastar tempo para explicar o porquê de ser melhor possuir um diário "físico" a um virtual.


Espero que os que perguntaram sobre como criar um Diário Mágico tenham entendido. Apresentei apenas um método, criado pelo Veos. Existem vários e o mais indicado é aquele que sua intuição indica ou faz.


#hermetismo #MagiaPrática

35 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo