Como a Magia flui

Atualizado: 30 de abr.

Este comentário é bem interessante também. Resolvi transformá-lo em um Post.

A grande questão que me assombra é: como saber se as dificuldades que surgem são um sinal de que estou no caminho certo (surgem pra me desviar do objetivo), ou se são um sinal pra que eu tome outro rumo?

Estávamos neste final de Semana nos cursos de Tarot e Chakras em Porto Alegre quando aconteceu um fato que ilustra bastante esta pergunta que você fez. Durante o curso de Chakras, eu fiz o exercício de Visualização da Golden Dawn envolvendo 26 pessoas ao mesmo tempo. Todos os alunos, ao som da minha voz, fizeram a visualização do Cubo negro, da esfera azul, do octaedro amarelo e da pirâmide vermelha, esforçando-se ao máximo para sentir aquela energia materializada no astral. Antes desse exercício, havíamos treinado a limpeza dos Nadis e alinhamento de Chakras, ou seja, podemos afirmar que estávamos em um grupo funcionando em uma egrégora bem forte. Durante o exercício, sempre peço para que os alunos se esforcem para trazer as imagens do Astral para o Físico, que é o primeiro pré-requisito para a Magia Ritualística.

Após o curso, decidimos sair para beber um chop e bater papo. Caminhamos pelo Centro da cidade e estávamos escolhendo um bar para ficar (em 15 pessoas e o centro já estava fechando o que havia de disponível por lá) e chegamos à Casa de Cultura. Nesse momento, começou a chover forte e teríamos de ficar por ali mesmo. Subimos ao sétimo andar para nos acomodar, mas por diversos problemas (basicamente um garçom muito burro que não era capaz de juntar as mesas na forma de U e não havia ninguém capaz de tomar decisões por ali, segundo ele nos informou). Descemos novamente e fomos em um café que havia ali no térreo, já que ainda estava chovendo. Após nos acomodarmos, percebemos que havia um quadro bem em frente à nossa mesa, com o seguinte desenho: sobre um plano quadriculado azul, estava uma esfera preta ao lado de uma pirâmide onde uma das faces visíveis era amarela e a outra vermelha. O Quadro continha exatamente todos os elementos, formas e cores que mentalizamos, mas não exatamente da mesma maneira. E a resposta do que isso significa também é a resposta da sua pergunta. Imagino qual seria a probabilidade de se encontrar todos estes 4 objetos juntos no centro de Porto Alegre naquele dia e horário… nem a Teoria dos Grandes Números explica.

A explicação Hermética é que, ao mentalizarmos de maneira concentrada esta nossa vontade, estando em um estado alterado de consciência (fizemos o exercício de alinhamento de Chakras logo antes do exercício de Visualização) naquele momento foi criado pela egrégora um espírito servidor (um elemental, uma tela mental, a formulação de um desejo, etc… os nomes variam de acordo com a Escola Filosófica que você perguntar) e esta nossa Vontade procurou no tempo e espaço por todas as possibilidades capazes de realizar aquele desejo, dentro das limitações proporcionadas naquele momento. Criou-se, então, um fluido astral nos conectando daquele momento à materialização daquela visualização e o restante foi um caminho programado, cuja manifestação em Malkuth pareceu repleta de “acasos” (chuva, garçom, bares fechados, etc) mas que, na Luz Astral, era provavelmente uma linha reta; mas “Deus escreve reto por linhas tortas”, não é mesmo?

Agora respondo sua pergunta com outras perguntas: A Chuva era um sinal que estávamos no rumo correto? a dificuldade em se conseguir mesas também? os bares fechados que nos fizeram andar até o Centro também? A imagem do quadro era o que pedimos ou não? Ter todos os elementos que pedimos mas não da maneira exata vale? A Visualização falhou? ou foram os recursos de Malkuth que só permitiram aquela combinação? Daí vem a confusão entre Vontade e Desejos…

Nossa Vontade, criada em Yesod, era a Materialização das figuras da Golden Dawn; nosso desejo, formulado em Malkuth, era achar um bar para comemorar. A Magia tenta conciliar nossa Vontade com as escolhas que faremos depois. Por isso vem a frase “Tomar cuidado com aquilo que se deseja” dos árabes.

Muita gente acha que pode pedir coisas absurdas em rituais (a falácia favorita dos pseudo-céticos é pedir como pra “ganhar na loteria”, ignorando que, para conseguir isso seria necessário vencer 100 milhões de outros desejos contrários ao do mago) e que a magia funciona como “milagre”, que vão romper as leis físicas e criar recursos do nada ou gerar resultados sem trabalho.

A Magia direciona o caminho entre a Vontade e a Realização, mas depende de todos os fatores disponíveis em Malkuth. A Magia VAI realizar o que o mago pediu, dentro das possibilidades (alguns usam a palavra “merecimento”) e, na imensa maioria das vezes, é impossível distinguir o resultado de “sorte enorme” ou “coincidência absurda” ou “placebo” porque é justamente isso que a magia manipula: Probabilidades e Necessidades.

No caso da Verdadeira Vontade, funciona da exata mesma maneira: sabendo qual é a sua Vontade (através de Autoconhecimento, Mapa Astral, etc) você é capaz de perseguir o que ponto exato que planejou antes de encarnar. E, quando está no caminho certo, coincidências dignas da Teoria dos Grandes Números acontecem a toda hora para te levar até lá (dai o ditado “O Universo conspira a seu favor, blá blá blá”).

#MagiaPrática

10 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo