Candomblé, Oratório para orquestra e coro

Atualizado: 30 de abr.


Fruto de meses frequentando um terreiro em Salvador, a obra “Oratório Candomblé”, para coro misto, coro infantil, seis solistas vocais, conjunto de percussão afro-brasileira e orquestra sinfônica, foi escrita em 1958 pelo compositor brasileiro José Siqueira.

Peça ousada e irreverente que une ritual afro-brasileiro com os conhecimentos musicais de compositores modernos como Stravinsky, é baseada em cantos de Candomblé que o maestro colhera na Bahia, desenvolvendo então sua visão musical do ritual.

Candomblé integra um conjunto de obras de José Siqueira inspiradas na cultura africana, resultado de incessantes pesquisas do compositor, professor e teórico da música.

Em um período em que o negro ainda era bastante discriminado e sua contribuição para a nossa cultura muito pouco reconhecida, José Siqueira criou uma série de peças orquestrais como o bailado Senzala, a cantata negra Xangô, a suíte Carnaval Carioca e sua obra-referência: Candomblé.

Vida


Responsável por iniciativas como a criação da Orquestra Sinfônica Brasileira da cidade do Rio de Janeiro, da Academia Brasileira de Música da Ordem dos Músicos do Brasil e dos Concertos Para a Juventude. Como professor foi descrito como “um mestre cuidadoso que indicava os infinitos caminhos da arte mas respeitava a personalidade de cada um de seus discípulos”.

Devido à sua pregação por um país livre e democrático, foi perseguido e “aposentado” pela ditadura militar ficando proibido de lecionar, gravar e reger. Mas o paraibano era um verdadeiro “cabra da peste”, continuou compondo, defendendo seus ideais e continuou a reger a sua própria Orquestra de Câmara do Brasil que ele criara com a ajuda de amigos músicos.

A vida de José Siqueira é um exemplo de que, quando alguém está cumprindo o papel para o qual foi designado neste mundo, não há ditadura nem toda a sorte de dificuldades que o impeça de cumprir sua missão. No que o Brasil o expulsou, a extinta União Soviética o abraçou, regeu a Orquestra Filarmônica de Moscou e foi justamente lá que boa parte de sua obra foi editorada e preservada (inclusive a versão do oratório candomblé que vocês irão ouvir), enquanto que no Brasil o governo militar cuidava em excluí-lo da história.

Obra

“José Siqueira ocupou a cadeira nº 8 da Academia Brasileira de Música. Metaforicamente ele é um imortal. Mas a sua verdadeira imortalidade ele alcançou através de sua obra e de seu exemplo de vida” (Ricardo Tacuchian)

Siqueira nos deixou uma obra monumental que representa duas vertentes regionais bem marcantes. A primeira é baseada na influência africana sobre a música brasileira, com suas escalas pentatônicas e sua polirritmia percussiva. A outra vertente é o folclore do Nordeste, com sua diversidade de danças, cantos e suas melodias modais.

Destacam-se, dentre as obras orques­trais, 5 sinfonias, o Concerto para orquestra, concertos para os mais variados instrumentos, a série Brasilianas, peças para orquestra de cordas, como a famosa Toada, óperas como A compadecida e Gimba, inúmeros bailados, poemas sinfô­nicos e oratórios como Xangô e Candomblé.

Toda obra de José Siqueira é permeada de elementos e ritmos regionais, sua musicalidade se encerra numa belíssima e bem arquitetada fusão de estilos.  Ao ouvir o “Oratório Candomblé”, acompanhado de todos os instrumentos da orquestra e das vozes do coral, temos nossa alma inevitavelmente carregada para um terreiro.

Saudações Musicais, e boa audição.

 

Fabio Almeida é músico e autor do blog Sinfonia Cósmica.

#Biografias #Espiritualidade #Música #Religião #Candomblé

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo