Aos 14 Xamãs

Atualizado: 21 de abr.


O som… distante; de um avião. Passa sorrateiro e longe, pontos vermelhos e azuis, num céu completo. Este participa de mim, do que sou, do que fora naquele instante.

Na memória diálogos acirrados em discussões sobre métodos e formas, tantas formas. Enquadrando os laços.

Meu corpo cansado enquanto levito em perspectivas antes debatidas de forma rápida durante o dia. Falei que o desejo é passível de ser desmerecido e portanto substituído pelo simples ato. Do ato de ser somente tal ato.


“(…)se o ser ao se apoderar do ato, pensa, e ao pensar o ato discorre.” Quem vem primeiro? - Ainda dividimos deliberadamente sem culpa.

O que dividimos é a nós… esse “ser”, e dividi-lo nada mais é do que apoderar-se de si, mas quando pensamos, que nos apoderamos, separamos o ato que é daquilo que se avalia ao pensarmos; colocando nas mãos a nós mesmos por medo de simplesmente ser.

O medo neste contexto é de fato algo fora, que vem de dentro, mas acontece fora. Ao aceitarmos que o ato só vale se pensado. Mas tal ato não pensa sobre si sozinho, por que fracioná-lo em dois instantes distintos, despedaçando a unidade em três?

Ser, portanto é o único momento real; mas pensamos. Somos a irrealidade do que fomos outrora, ao nos vetarmos. Considerar portanto que o ato pensa é dar cabo que o pensar é um ato, tão factual quanto. E se ser é real, pois necessariamente atua, ser também é pensar. Delegando portanto assim ao ser plena consciência sobre si. No entanto pensamos e duvidamos do que somos, ao pensarmos novamente para assim agir duas vezes.

Vezes somos acometidos por esta percepção, de que simplesmente fomos. O corpo fala tanto quanto o que se fala pela alma e o espírito pulsa. Claro que quando avaliamos exercemos em nós e para nós cognitivamente o ato de pensar, separando do ato em si e fomentando possibilidades. Mas isso não deveria nos ensinar a como ser, para que noutro instante simplesmente sejamos… um?

Vemos sempre uma razão para não ser e isso se demonstra de várias formas enjaulados pelos gostos, pelas cores, pelos humores. O ser humano não é livre, tendo em vista seu ciclo no meio dos testes e das formas certas. Ele se enquadra ao pensar sobre si, toda vez que vem a ser. Pois julga aquilo que já é, aonde deveria supostamente já saber ser. Simplesmente ser.

Mas essa função simples ocorre indiscriminadamente, trazendo às vistas uma sensação de segurança e conforto, já que ninguém é dono de si, pensar então sobre si é mais seguro.

Quando vejo alguém “bom” naturalmente já vejo tantas ações boas, mas estranhamente ao ligá-las ao possível gerador destas ações me sinto atingido pela suspeita: este de fato é capaz de ter tais tinos? E assim dividimos não só a nós, o tempo todo. Por isso o outro facilmente invade cantos em que não chega a tocar de fato, já que não somos simplesmente, averiguamos para ser. Dois momentos que se replicam, já que quando confirmamos que somos bons, agimos bondosamente pela segunda vez... mas não agimos, pois reproduzimos o ato de antes vetado e ironicamente perdemos de ser genuínos. Já que o resultado é um rosto pálido sem vida e sem cor.

Assim sorrimos falsificadamente dia e noite, e quando de fatos sorrimos somente, nos sentimos estranhos por termos sido um; uno.

Basta refletir no sorriso que brota nesses instantes de unidade, no rosto do outro. Como se fosse um só sorriso, que não deseja ser sorriso. Simplesmente é o sorrir.

E se pensarmos no ator, muitos destes se destacam ao conseguir a sincronia de agir e olhar, iludindo-nos, parecendo a nós um único estar. Alguém uno… e choramos tanto quanto ele chora, pois somos quebrados e achamos que não sabemos de fato quem é esse que somos. Assim o ser é o ator, único inteiro, unificado em seu ato… sendo ele o ser, nós somos a divisão, que pensa e age, criando um humor que agora é de todos, impressionados por chorarem juntos e sorrirem eufóricos batendo palmas para aquele que ao deixar de atuar, também se perde, agradecendo emocionado à salva de palmas dos que se encontram na cavea.

Apagaram-se as luzes.


E nesses dias, nesses poucos dias atrás eu me dividi. Dividi-me por um sofrimento, uma consternação diante de uma noticia dura da realidade. Sofri comedidamente ao saber que 14 Xamãs foram brutalmente assassinados no Peru, pelo menos 07 de certeza foram, já que foram os únicos corpos que encontraram até agora. Foram assassinados por um grupo Sectário Protestante, e ao que tudo indica até o prefeito do lugar está envolvido. Isso alterou consideravelmente meu humor e segui 14 dias fazendo algumas orações e elevando meu pensamento. Já que é indiscutível a perda que todos nós acabamos tendo, seja de conhecimento humano, de ervas medicinais, do conhecimento acerca de si mesmo que tais homens abarcavam, além claro da perda do povo deles, de um líder, da suas histórias pessoais, da identidade deles, pois um Xamã é tudo isso, é a força política, espiritual e moral de uma tribo, é o que transmite normalmente as histórias deles mesmos à posteridade, aos netos e bisnetos, ao próximo Xamã. Curiosamente o argumento usado para justificar tais mortes por facão, tiro, pancadas ou pedradas foi o demônio. Alegaram que eles estavam possuídos pelo demônio, como numa clara guerra santa, demonstrando que ainda somos alvo do terror do antigo mundo onde homens eram queimados em fogueiras e muitos batiam palmas extasiados. Estes queimados não se dividiam, eram dor somente.

Sendo assim termino minhas reflexões acerca do ser. Não pretendo impor tal pensamento e sim discorrer a respeito dele, já que não existe melhor meio do que a troca de saberes. O que tratei aqui não está terminado, mas demonstra um pouco do que se passa em minha mente nesses últimos tempos. Seja portanto livre para criticar, mas principalmente para desenvolver comigo até onde pudermos.

E que por fim esse texto, esses momentos que dediquei a escrevê-lo, a pensar em tudo o que pensei, seja em homenagem a tais homens inteiros, destes que não se vê nem ao menos um arranhão.

#pensamento #Zen

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo