top of page

Abolição da Noção de Pecado

Atualizado: 12 de mar. de 2022


Psicologia do Liber Al: pt3 -Abolição da noção de pecado

A fórmula desta lei é: Faça o que quiser. Seu aspecto moral é bastante simples em teoria. Faça o que você que não significa dizer faça o que desejar, embora implique esse grau de emancipação, que já não é possível dizer a priori que uma determinada ação é "errada". Cada homem tem o direito - e um direito absoluto - para cumprir sua Verdadeira Vontade ".


-Aleister Crowley, "The Method of Thelema"

Em Thelema, alguém está prescrito para "Fazer o que queres", e vimos que essa vontade, para ser considerada como "pura" e "perfeita", deve ser realizada com energia incansável, sem levar em conta o propósito, e sem luxúria por resultado. Um outro desvio ou véu da "vontade pura" é a moral convencional e, em especial, a noção de "pecado".


Nos termos judaico-cristão-islâmico, o mundo é geralmente visto em termos de bem e de mal, com ações "boas" sendo as que aderem às leis específicas estabelecidas em qualquer livro que seja sagrado e "malvado" sendo o afastamento de tais leis. Thelema é uma filosofia ou um ponto de vista que Nietzsche teria chamado de "além do bem e do mal". A única restrição em Thelema é restringir ou ser desviado da própria vontade. De fato, a linha logo após o aforismo "Faça o que quiser será a totalidade da Lei" é esta:

“A palavra de Pecado é Restrição”¹


Crowley explica isso sucintamente, dizendo que esta "é uma declaração geral ou definição de pecado ou erro. Qualquer coisa que liga a vontade, a impede ou a desvie, é pecado. "² Aqui está uma visão completamente nova da ética em que o único" mal "é desviar de si mesmo ou, com mais precisão, de sua vontade.


Psicologicamente, quando se desvia dos seus verdadeiros impulsos internos, surge um conflito que geralmente é conhecido como "neurose". Carl Jung define os distúrbios nervosos como "consistindo principalmente em uma alienação de seus instintos, uma separação da consciência de algum princípios básicos fatos da psiquê ".³ Geralmente, quando ocorre uma ação, pensamento ou tendência surge dentro de alguém e esta é contrária à visão atual que sua sociedade (ou religião) entende o que é" certo "(o "superego" de Freud), a psiquê tende a suprimir e evitar que esses aspectos desagradáveis apareçam na mente consciente. Embora esses pensamentos (por exemplo, para um cristão, o pensamento de realizar um ato homossexual) podem não parecer conscientemente para a pessoa, a mesma tendência exata ainda está dentro do subconsciente e ainda exerce sua influência. Esta supressão de uma tendência natural que tenta adequá-la às expectativas societárias de conduta é a base da "repressão" psicológica.


Em Thelema, essas repressões são entendidas pelo que elas são: repressões das inclinações naturais de um indivíduo. Portanto, se a única lei é fazer o que tu queres,a repressão artificial de si mesmo levaria a uma desastrosa divisão da psiquê e, portanto, à própria vontade. Se o Indivíduo está se desviando da própria vontade quando está criando uma divisão basilar em si mesmo então estará criando "vontades múltiplas" que divergem e conflitam - o que é fundamentalmente uma separação do consciente (com suas muitas noções arbitrárias de "certo e errado") do inconsciente e instintivo. Thelema reconhece que todos os desvios dessa vontade única, incluindo todas as repressões do instinto natural para se conformar com noções artificiais de conduta moral, levará à repressão, o que conduz inevitavelmente à neurose. Crowley escreveu: "Os thelemitas são ‘nascidos três vezes "; 4 aceitamos tudo pelo que é, sem "a “luxúria por resultados", sem insistir em coisas que se adaptem aos ideais a priori ou lamentando quando falham em serem assim. Podemos, portanto, "gozar" todas as coisas de sentido e num manter o êxtase de acordo com sua verdadeira natureza". 5

Uma das aplicações mais evidentes deste dito que "a palavra do pecado é restrição" é em relação à moralidade sexual. Toda religião, sem dúvida, teve inúmeras restrições sobre a vida sexual, especialmente para as mulheres. Liber AL vel Legis proclama que, não só "todo homem e toda mulher ... uma estrela", 6 mostrando sua igualdade essencial, mas, além disso, está escrito para "Também, tomai vossa fartura e vontade de amor como quiserdes, quando, onde e com quem quiserdes! "7 Esta linha é estranhamente profética da Revolução Sexual que ocorreu no final da década de 1960, mais de meio século após a redação do Liber AL vel Legis, e também a pesquisa inovadora sobre o sexo por Alfred Kinsey na década de 1940 . Não há restrições,nem mesmo quanto às relações de amor que podem ser consideradas como expressões de homossexualidade, masoquismo ou sodomia, pois, a partir do ponto de vista do Thelemita, uma coisa é "errada" apenas na medida isso desvia da Verdadeira vontade. Como Crowley diz: "Não temos o direito de interferir com qualquer tipo de manifestação do impulso sexual por motivos a priori" 8.


Crowley escreve: "O amor sob vontade" é a lei. Nós nos recusamos a considerar o amor como algo vergonhoso e degradante, como um perigo para o corpo e a alma. Recusamo-nos a aceitá-lo como a rendição do divino ao animal; para nós, é o meio pelo qual o animal pode ser feito a Esfinge Alada que deve levar o homem para a Casa dos Deuses ".9 O instinto sexual foi reprimido sem piedade nas religiões do passado e muitas vezes foi criticado como animalesco ou pecaminoso. Thelema transforma essa idéia de cabeça para baixo ao dizer que não só o sexo não é vergonhoso ou degradante, é a função natural de um ser humano e, se for de acordo com sua verdadeira vontade, eles deve expressá-la (e não de acordo com algum conjunto de regras pré estipuladas).


Crowley resume todos esses sentimentos quando ele proclama: "Deveria ficar bem claro com as observações precedentes de que cada indivíduo tem um direito absoluto e exequível de usar seu veículo sexual de acordo com seu próprio caráter e que só ele é responsável por si. "10 Psicologicamente, esta é uma rota saudável a tomar, pois "a repressão sexual leva à neurose e é a causa da inquietação social "11. Alfred Kinsey encontrou em sua pesquisa sobre a sexualidade que "o desejo sexual é um desejo básico e biológico, impulso ou instinto que exige satisfação ... se a unidade sexual (do sexo masculino) tiver negado nos canais legítimos, encontrará satisfação em ilegítimos" (ou seja, estupro, abuso sexual de crianças, etc.)", a repressão do desejo sexual pode levar a problemas físicos ou doença mental e "neurose" especialmente nas mulheres ... [e] a necessidade de sexo é tão básica quanto a necessidade de alimentos ".12 Neste prisma, parece que Thelema nos deu uma estrutura adequada para agir sem medo de “doenças físicas ou mentais " derivadas de nossas inclinações sexuais.


Essencialmente, proclamando "a palavra do pecado é restrição", Liber AL vel Legis diz que toda restrição ou repressão da vontade é o único "mal" ou "pecado". 13 Sabemos que "a repressão da satisfação natural pode resultar em além de vícios secretos e perigosos que destroem sua vítima porque são aberrações artificiais e não naturais ".14 A idéia de restrição se estende, obviamente, além da moral sexual, mas tem repercussões claras e óbvias nesse assunto e, portanto, era necessário entrar nesse aspecto específico em detalhes.


Sinceramente, os adágios de "Fazer o que você quer" e "a palavra do pecado é a restrição" se aplicam a toda a moralidade. A citação que começa este capítulo explica sucintamente isso, em termos simples, que "já não é possível dizer a priori que uma determinada ação é" errada ". Cada homem tem direito - e um direito absoluto - de cumprir sua Verdadeira Vontade". Crowley escreve ainda que "não há" padrões de direito ". Ética é disparate. Cada Estrela deve seguir sua própria órbita. Para o inferno com "princípio moral"; não há tal coisa ".15 Nesse sentido, Thelema mostrou que não existe um padrão absoluto de certo e errado; Existe apenas um padrão relativo de certo e errado em relação à natureza e circunstância que sãp únicas de cada pessoa - sua vontade única.


"Na realidade, o bem e o mal não são diferentes uns dos outros. "Bom" e "ruim" são apenas termos convencionais. Dependendo de como é usado, o mesmo pode ser "bom" ou "ruim". Tome, por exemplo, essa luz da lâmpada. Por causa da sua queima, somos capazes de ver e fazer várias benesses; Este é um modo de usar a luz. Agora, se você colocar os dedos nele, eles serão queimados; Esse é outro modo de usar a mesma luz. Portanto, é claro que uma coisa se torna boa ou ruim de acordo com a maneira como a usamos. O mesmo acontece com a virtude e o vício. Em termos gerais, o uso adequado de qualquer das faculdades de nossa mente e corpo é virtude, e seu uso indevido é o vício ".


-Swami Vivekananda

Crowley, Aleister. Liber AL vel Legis, I:41.

2 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:41.

3 Jung, Carl. “The Soul and Death” from Collected Works of C.G. Jung, volume 8: The Struture and Dynamics of the Psyche, par. 808.

4 Uma refencia thelemica para as categorias ‘nascido’ and ‘renascido’ como elucidade por William James em seu livro The Varieties of Religious Experience.

5 Crowley, Aleister. The Law is For All, II:22.

6 Crowley, Aleister. Liber AL vel Legis, I:3.

7 Crowley, Aleister. Liber AL vel Legis, I:51.

8 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:51.

9 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:51.

10 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:51.

11 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:52.

12 Cablan, Pat & Caplan, Patricia. The Cultural Construction of Sexuality, p.72.

13 Mas, há de se notar que em Thelema, a noção de “pecado” nunca chega na definição que os Cristão ou Muçulmanos pois não há o Pecado Original nem o Julgamento das suas ações no outro mundo.

14 Crowley, Aleister. The Law is For All, I:51.

15 Crowley, Aleister. The Law is For All, II:28.

16 Vivekananda, Swami. Conversation: Saturday, January 23, 1898. Recorded in Bengali by Surendra Nath Sen in his private diary. Complete Works, vol.5: 337.



Tradução:Mago implacavel

Revisão: (não) Maga patalógica

18 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo
bottom of page