A Origem dos Símbolos do Natal

Atualizado: 9 de abr.


Estas Pessoas ficavam surpreendidas em como estes cogumelos mágicos saltavam da terra sem qualquer semente visível. Consideraram isto “nascimento da virgem” ter sido o resultado do orvalho da manhã, que foi visto como o sêmen da divindade. O ouropel de prata (ou em sua versão mais moderna, aquelas correntes de lâmpadas) que nós cobrimos sobre nossa árvore de Natal moderna representa este fluido divino (o “fio de luz” que desce dos céus até a terra para gerar a vida).

As Renas Existia uma tribo na antiga Sibéria chamada O Povo das Renas. As renas eram para os siberianos o que o búfalo representa para os nativos americanos; forneciam alimento, protegendo, vestindo entre outras necessidades eram também consideradas a manifestação do Grande Espírito Rena, invocado pelos xamãs para resolver os problemas do povo. Nas suas jornadas xamânicas, ele viajava, em transe, em um trenó de renas voadoras, tal qual os Egípcios realizavam suas projeções Astrais sobre o Barco de Ísis.

A Viagem do papai Noel Quando era tempo de sair e de colher os cogumelos mágicos, os xamanes antigos vestiriam-se muito como Papai Noel, usando casacos pele-aparados, brancos e castanhos e botas pretas longas A aparência, a vestimenta, maneirismos do Papai Noel é como o conhecemos hoje vem da coca-Cola. Falarei sobre isso mais adiante.

Os Cogumelos e as Meias na Lareira O cogumelo de amanita necessita ser seco antes de consumir; o processo de secagem reduz a toxicidade do cogumelo enquanto aumenta sua potência. Sabendo que estes cogumelos devem ser desidratados antes da ingestão cerimonial, seria bom secá-los antes de levá-los para casa. Conforme eles colhiam mais, eles selecionavam uma árvore na região central, e usavam seus galhos para colocar os cogumelos frescos, secando-os ao Sol. E os cogumelos vermelhos e brancos são os enfeites de Natal mais antigos que se pode encontrar. Mais tarde, o xaman guiaria o grupo para colocar os cogumelos pendurados ao redor do lareira para o fogo secar. Esta tradição é ecoada no moderno enfeite de meias e outros itens pendurados sobre a lareira, onde são colocados presentes dentro.

Estas pessoas viveram em moradias feito de vidoeiro e couro de rena, chamado “yurts.” Algo semelhante a um teepee, a chaminé central do yurt freqüentemente também era usada como uma entrada, pois o acúmulo de neve impedia abertura de portas. Depois de reunir os cogumelos de sob as árvores sagradas onde apareceram, os xamans enchiam seus sacos e retornavam para casa. Desciam pelas chaminé-entradas e compartilhavam com os presentes os cogumelos recolhidos. A primeira imagem do Papai-Noel associada à chaminés foi pintada em 1666 por Jan Steen, no quadro “Het Sint Nicolaasfeest” (A festa de São Nicolau).


A Árvore da Vida e a Estrela Polar A Árvore de Natal representa a própria Árvore da Vida: Uma Estrela Brilhante em seu Topo, simbolizando Kether, Esferas coloridas ao longo de seus galhos (tradicionalmente são 8 esferas: Hochma, Binah, Chesed, Geburah, Tiferet, Netzach, Hod e Yesod) acompanhadas ou não de Anjos e do ouropel e, finalmente, os Presentes colocados na sua Base, representando todas as dádivas de Malkuth.

A Igreja entendeu que devia cristianizar as festividades pagãs que os vários povos celebravam por altura do solstício de Inverno e, desde o século IV pela Igreja ocidental e desde o século V pela Igreja oriental, celebra o nascimento de Jesus, como já visto em post anterior, os líderes do cristianismo, para a formação deste, só tiveram de adaptar as crenças e rituais antigos a um novo personagem: Jesus Cristo. Toda a roupagem necessária para vestir o novo deus preexistia. Apenas fazia-se necessário moldá-la um pouco.

#Natal

6 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo