A luz se foi de nossa Ordem

Atualizado: 16 de abr.

Hoje é um dia muito difícil para milhares e milhares de jovens e não-tão-jovens DeMolays, Filhas de Jó e membros da Estrela do Oriente. O Fundador destas três Ordens no Brasil, Alberto Mansur, nos deixou na madrugada do dia 17 de julho, aos 89 anos, deixando nesta terra um enorme legado fruto do trabalho contínuo por décadas de Maçonaria.

O Tio Alberto Mansur, Grande Mestre Fundador do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil, será sempre lembrado como um maçom visionário que se dedicou sem reservas ao seu grande sonho, que ele chamava de “minha querida família da Maçonaria”, cujo objetivo era reunir em torno dos elevados ideais dessa instituição os filhos, filhas e esposas dos Irmãos.


Breve História

O Tio Alberto Mansur nasceu em 7 de setembro de 1922, o Centenário da Independência do Brasil. Era filho de imigrantes libaneses, Anthônio Nehmetalla Mansur e Ramza Mansur, e recebeu seu nome em homenagem ao Rei Alberto I, da Bélgica, herói da I Guerra Mundial. Teve dois filhos com sua companheira inseparável de toda vida, Tia Célia, Cristina Maria e José Alberto Mansur, 1º Mestre Conselheiro do Brasil.

Em 1933 mudou-se para o Rio de Janeiro e mais tarde, em 30 de setembro de 1950, foi Iniciado na Loja Perfeita União, nº 13, em Valença – RJ, onde em 23 de maio de 1969 veio a ser Instalado como Venerável Mestre. Dirigindo-se à capital, passou a ser membro do Supremo Conselho e mais tarde seu Soberano Grande Comendador, em 24 de novembro de 1974. Sua gestão levou o Supremo Conselho de uma posição ignorada e uma sede apertada para uma entidade de milhares de Maçons abrigada em um grande local. Mais tarde, tornou-se o primeiro ocupante do cargo a deixar o posto – até então vitalício – em favor de eleições.

Em 1993, fundou a Ordem Internacional das Filhas de Jó no Brasil, enquanto em 1997 trouxe a Ordem Estrela do Oriente para o país. [Boa parte das informações desta seção foi obtida através do material compilado pelo Irmão Guilherme Santos, ex-Mestre Conselheiro Nacional do SCODB.]

Ordem DeMolay

Em 1969, o Maçom Alberto Mansur entra em contato pela primeira vez com a ideia de uma organização juvenil existente nos Estados Unidos chamada “Order of DeMolay”. Enxergando no grupo idealizado por Frank Sherman Land um projeto essencial para a Maçonaria brasileira, Tio Mansur trabalha durante mais de uma década para conseguir finalmente ser nomeado Oficial Executivo para o Brasil do Supremo Conselho Internacional e fundar e instalar o Capítulo Rio de Janeiro, nº 001.

Em 1985, após atingir a marca de 25 Capítulos instalados com o Capítulo Grande Rio, nº 025, o Supremo Conselho Internacional firma tratado de fundação e reconhecimento do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil, o SCODB. Alberto Mansur é indicado como Grande Mestre Nacional, cargo que ocupa através de numerosas reeleições sem contestação até 2004, quando é sucedido por Toshio Furukawa.

Na sua gestão à frente da Ordem DeMolay, o país viu a fundação de mais de 600 Capítulos, o surgimento dos Conventos da Ordem da Cavalaria, das Cortes Chevaliers, das Távolas de Escudeiros e dos Colégios Alumni, bem como a Iniciação de quase 100.000 jovens brasileiros nas fileiras da Ordem DeMolay.

Do Sonho para a Realidade

Com uma biografia tão rica e imponente, com o peso de Grande Mestre Fundador da Ordem DeMolay no Brasil, é compreensível entender que eu, assim como milhares de Irmãos, sentia-me muito intimidado com a ideia de conversar com essa figura algo legendária.

A primeira vez que o vi e sentei à mesa com o Tio Mansur foi no II Encontro Fluminense da Ordem da Cavalaria, em Macaé, sediado pelo Convento Godofredo de Saint Omer, nº 096. De repente, todos os presentes se apressaram em formar duas fileiras e começaram a aplaudir e eu ouvi gritos de “Mansur! Mansur! Mansur!” enquanto um senhor baixo, de cabelos encaracolados brancos, bigode e olhos muito serenos acenava com um sorriso de satisfação de estar presente no evento.

Com o passar de alguns anos e a participação de outros eventos, especialmente nos Congressos Nacionais da Ordem, eu descobri que esse coro de “Mansur! Mansur!” não era programado e nem um pouco raro, mas natural da parte de todos os DeMolays que sabiam que o velhinho apareceria. Com uma popularidade imensa e demonstrando carinho pelos DeMolays como fossem seus filhos [e netos e bisnetos, dada a diferença de idade], o velho Tio Mansur tinha grande disposição para aparecer ao lado da Tia Célia, Madrinha da Ordem DeMolay e sempre apoiadora dos grandes projetos do seu marido.

Era possível perceber nos olhos do Tio Mansur uma espécie de felicidade única, de ver diante de si, depois de três décadas de trabalho e uma a mais de sonhos, aquele grandioso projeto com uma forma bem definida. Perceber que ele realmente tinha sonhado que seus Irmãos Maçons brasileiros abraçariam a causa da Ordem DeMolay e permitiriam que milhares de jovens rapazes de 12 a 21 anos, muitos deles sem qualquer ligação com a Maçonaria, como eu, participassem deste grupo de ideais tão elevados e encontrassem em perfeitos estranhos verdadeiros Irmãos e Tios.

Parece bobo, mas eu realmente acreditava que os anos continuariam passar e eu continuaria a participar nos Congressos do coro de “Mansur! Mansur!” precedendo a entrada do velho Tio, como se o Pai Celestial concedesse um presente mágico para seus filhos DeMolays e permitisse que os anos não levassem embora o responsável por tanta coisa na vida de tantas pessoas.

A luz se foi de nossa Ordem

Meu irmão de sangue e Irmão gêmeo de Ordem DeMolay, Luís, enviou uma mensagem na lista do meu Capítulo citando o discurso do Primeiro-Ministro Jawaharlal Nehru quando do assassinato de Gandhi, em 1948. Eu o parafrasearei porque acredito que é perfeito para este momento [tradução livre]:


“A luz se foi, eu disse, e ainda assim eu estava errado. Pois a luz que brilhou nesta Ordem não era uma luz comum. A luz que iluminou esta Ordem por esses tantos anos iluminará esta Ordem por muitos mais anos e daqui mil anos esta luz ainda poderá ser vista nesta Ordem e o mundo a verá e ela será consolo para inúmeros corações. Pois aquela luz representava a verdade viva… as verdades eternas, lembrando-nos do caminho correto, nos afastando do erro, levando esta Ordem ao crescimento.

“Tudo isto aconteceu quando ainda havia tanto para ele fazer. Nós jamais poderíamos pensar nele como desnecessário ou que ele já havia cumprido sua missão. Porém agora, em particular, quando estamos diante de tantas dificuldades, ele não estar conosco é um golpe terrível de se suportar.

“Uma complicação médica tirou sua vida, mas ainda assim veneno demais se espalhou por esta Ordem durante os últimos anos e meses e este veneno teve seu efeito sobre a mente das pessoas. Nós devemos enfrentar esse veneno, nós devemos arrancar esse veneno e devemos encarar todos os perigos que o envolvem não de forma louca ou ruim, mas da forma como nosso amado Tio nos ensinou. Nós precisamos nos comportar como pessoas fortes e determinadas a enfrentar todos os perigos que nos cercam, determinadas a levar adiante o mandato que nosso grande Tio e nosso grande líder nos deixou, lembrando-nos sempre que se, como eu acredito, o seu espírito olha por nós e nos vê, nada desagradaria mais a sua alma do que nos ver envolvidos em qualquer comportamento mesquinho ou em violência.

“Então, não devemos agir dessa forma. Porém, isto não significa que devemos ser fracos, mas que devemos com força e união encarar todos os problemas e dificuldades e conflitos que devem ser encerrados diante deste grande desastre. Um grande desastre é um símbolo para nos lembrar de todas as grandes coisas da vida e nos fazer esquecer das pequenas coisas, nas quais pensamos demais.”

Hugo Lima é Sênior DeMolay do Capítulo Imperial de Petrópolis, nº 470 graças ao sonho e ao trabalho do Tio Alberto Mansur.

#Demolay

0 visualização0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo